Trump
Divulgação / Official White House / Tia Dufour - 9.8.19
Votação favorável no Senado aproxima Trump de um desfecho positivo no processo de impeachment

As lideranças governistas no Senado dos EUA conseguiram evitar o último obstáculo para a absolvição de Donald Trump no processo de impeachment ligado às suas questionáveis relações com a Ucrânia. Por 51 votos a 49, os parlamentares negaram a proposta de permitir a convocação de novas testemunhas, ponto central da estratégia de acusação dos democratas.

Leia também: Mulher é presa após roubar 40 vibradores e doar a vizinhas e clube de massagem

O primeiro nome cogitado era o do ex-conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton — segundo trechos de um livro sobre seus pouco mais de 500 dias na Casa Branca, revelados pelo New York Times, o embaixador afirma que o presidente usou a suspensão de uma ajuda militar à Ucrânia para forçar o governo local a investigar os negócios de um filho do ex-vice-presidente Joe Biden no setor de energia do país. Trump rejeita as acusações.

Essa pressão é o ponto central do caso: de acordo com a investigação conduzida pela Câmara dos Deputados, o presidente queria "achar sujeiras" sobre Biden para usá-las durante a campanha presidencial — o ex-vice-presidente é um dos favoritos para obter a indicação do Partido Democrata. Para isso, Trump exerceu pressão direta sobre o presidente Volodymyr Zelenski, incluindo uma ligação telefônica em julho do ano passado, e montou um canal "alternativo" com o governo ucraniano para tentar garantir a investigação, que jamais saiu do papel.

As revelações deram força aos planos dos democratas para chamar novas testemunhas. Em minoria na Casa (53 a 45, além de 2 independentes), eles precisavam do apoio de pelo menos quatro senadores republicanos, o que parecia extremamente possível entre terça e quarta-feira. Mas uma ofensiva liderada pelo líder da maioria, Mitch McConnell, minou esses planos, mudando a opinião de quase todos os "dissidentes". Apenas dois governistas votaram com a oposição: Susan Collins e Mitt Romney, um velho algoz do presidente. Todos os democratas e independentes apoiaram a moção derrotada.

Para o líder da minoria, Chuck Schumer, o resultado mostra que Senado não cumpriu com sua responsabilidade: "sem testemunhas e sem documentos em um julgamento de impeachment é uma grande tragédia. Uma das piores tragédias que este Senado enfrentou. Os EUA se lembrarão deste dia, infelizmente, quando o Senado não cumpriu suas responsabilidades".

Antes da votação, o ex-chefe de Gabinete de Trump John Kelly disse que um julgamento sem testemunhas é um "trabalho feito pela metade".

"Se eu estivesse aconselhando o Senado dos EUA, eu diria: 'se você não der uma resposta a 75% dos eleitores americanos e permitir testemunhas, é um trabalho feito pela metade", afirmou. Kelly se referia a uma pesquisa da Universidade Quinnipiac, divulgada esta semana, mostrando que três quartos dos americanos defendem novos depoimentos.

John Bolton é conhecido por sua ojeriza aos democratas, porém se mostrou disposto a falar. Segundo pessoas que tiveram acesso ao livro, que tem lançamento previsto para março, o ex-conselheiro tem informações que podem ser extremamente danosas ao presidente. Com o veto à sua presença no Senado, alguns democratas articulam sua convocação na Câmara, onde falaria em uma das comissões controladas pelo partido. 

Julgamento na próxima semana

Além do voto sobre as convocações, os senadores discutiram os próximos e quase protocolares passos do julgamento. Havia a expectativa de que tudo pudesse ser decidido ainda nesta sexta-feira, com a Casa votando as duas acusações, de abuso de poder e obstrução do Congresso. Contudo, uma ação que contou com a participação de líderes dos dois partidos empurrou os atos finais do processo para a semana que vem.

De acordo com uma resolução promovida por Mitch McConnell, o julgamento será adiado até segunda-feira, às 13h, horário de Brasília, quando integrantes da acusação e da defesa farão suas argumentações finais. Em seguida, os próprios senadores poderão falar, uma forma de marcar posição antes das eleições de novembro, quando estarão em disputa 33 assentos na Casa.

Por fim, o texto estabelece que a votação final das acusações ocorrerá na quarta-feira, às 18h pelo horário de Brasília. Pelas regras constitucionais, são necessários 67 votos para o afastamento do presidente, algo que jamais ocorreu. A proposta de McConnell teve o apoio de 53 senadores e foi rejeitada por 47. 

O plenário ainda derrubou quatro emendas apresentadas pelos democratas tentando, mais uma vez, aprovar a convocação de John Bolton e de Mick Mulvaney, diretor do Departamento de Orçamento e Gestão da Casa Branca.

Leia também: Bolsonaro fala em 'lei de quarentena' para garantir volta de brasileiros da China

Para a Casa Branca, o cenário perfeito incluiria uma provável absolvição antes de terça-feira, quando Donald Trump fará seu discurso do Estado da União, o último de seu atual mandato. Salvo uma reviravolta de última hora, o presidente deve falar ainda na condição de réu, mas funcionários da Presidência afirmaram à rede NBC que "aceitariam" o fim do processo na quarta-feira.

    Leia tudo sobre: Impeachment

    Veja Também

      Mostrar mais