Tamanho do texto

La Catrina comandava um grupo de sicários do Cartel Jalisco Nova Geração

María Guadalupe López Esquivel,  líder de cartel mexicano,  era conhecida pela ostentação. arrow-options
Reprodução
María Guadalupe López Esquivel, líder de cartel mexicano, era conhecida pela ostentação.


Integrante do alto escalão de um cartel mexicano, María Guadalupe López Esquivel, de 21 anos, popularmente conhecida como “ La Catrina ”, foi morta durante troca de tiros com Guarda Naciona l e policiais, em Tierra Caliente, no estado de Michoacán . Ela era conhecida por publicar nas redes sociais fotos ostentando arma s, algumas delas de ouro, e exercia funções importantes dentro do esquema do tráfico.

La Catrina , nome referente a uma personagem da cultura popular mexicana, comandava uma equipe de pistoleiros que mataram doze policiais estaduais em uma emboscada realizada em outubro. Além de assassinatos e sequestros, ela também era a responsável por fazer pagamentos aos homens que trabalhavam como olheiros, também conhecidos como fogueteiros no Brasil.

Leia também: Mexicano é internado após ereção de três dias por uso de estimulante para touros

Escalada

A mulher fazia parte do Cartel Jalisco Nova Geração , no qual entrou depois de um envolvimento romântico com Miguel Fernádez , o “EI M2”, um dos líderes da organização. Aos poucos ela foi subindo de posições dentro da estrutura e alcançou status de liderança.

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostram os últimos momentos de vida de María Esquivel . Um dos oficiais chega a pegá-la no colo e tenta acalmá-la. “Fique tranquila. Um helicóptero está vindo para você. Está vindo agora, você vai ficar bem. Tente aguentar””. Segundo relatos locais, La Catrina não resistiu e morreu minutos antes do helicóptero decolar.