Tamanho do texto

Secretário de Defesa dos EUA afirmou que "não há qualquer decisão de deixar o Iraque". Oficial tinha falado em "reorganização" de militares

Foto aérea do Pentágono arrow-options
Flickr/David B. Gleason
Tensão entre os Estados Unidos e o Irã aumentou após morte de general iraniano em Bagdá, capital do Iraque

O Pentágono negou nesta segunda-feira (6) que os Estados Unidos vão retirar as tropas americanas do Iraque após um general divulgar carta dizendo que haveria um "reorganização" das forças de coalização para que as tropas saíssem do país.

"Não há qualquer decisão de deixar o Iraque... Não foi tomada nenhuma decisão de deixar o Iraque. Ponto final", disse o secretário da Defesa dos EUA, Mark Esper. "A carta é inconsistente com o ponto em que estamos agora", completou.

Por meio de uma carta, o general William H. Seely, que comanda as operações militares americanas no Iraque, tinha avisado ao número dois do comando militar iraquiano que haveria uma "reorganização" das forças da coalizão antijihadista até "uma retirada do segura e eficaz".

Leia também: Irã rebate ameaça dos EUA e tensão leva ONU a fazer alerta

"Senhor, em respeito à soberania da República do Iraque, e como pedido pelo Parlamento do Iraque e pelo primeiro-ministro, o CJTF-OIR vai reorganizar suas tropas nos próximos dias e semanas para preparar um movimento de retirada", diz um trecho do comunicado.

No dominfo (5), o Parlamento iraquiano aprovou uma moção para exigir que o governo expulse as tropas estrangeiras do país. Em resposta, o presidente norte-americano Donald Trump disse que poderia impor sanções ao Iraque.