Tamanho do texto

País costuma se manter neutro em questões de guerra, mas proximidade de Bolsonaro com Trump faz com que Brasil tenha peso em uma decisão de alinhamento ideológico

IstoÉ

Trump e Bolsonaro são aliados arrow-options
Alan Santos/PR
Trump e Bolsonaro são aliados


Agora é a vez da onça beber água na política internacional brasileira. O governo Bolsonaro, incluindo o presidente, seus filhos e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sempre se mostraram subservientes aos americanos, mas desta vez o caso é grave e que pode jogar o mundo para uma nova guerra mundial. Depois do ataque dos EUA a uma base militar em Bagdá, controlada por forças iranianas, com drones, e que acabou matando o líder iraniano Qassem Soleimani, a geopolítica mundial vai mudar radicalmente.

A ONU, todos os países do mundo, terão que se manifestar entre apoiar a ação dos americanos ou condená-la. O Brasil ficará em qual das duas categorias? Sim, neste caso não tem em cima do muro. Ou condena a ação dos EUA ou apóia. Vale lembrar que o conflito no Oriente Médio, com a liderança do Irá, vem aumentando nos últimos anos, sempre com o apoio da Rússia, da China, enquanto que os americanos nunca esconderam que o Iraque é de suma importância em sua estratégia mundial de dominar a produção de petróleo, que tem na região as maiores reservas do planeta. Mas, não se pode esquecer que o ataque a uma base iraniana em Bagdá é apenas o estopim de um conflito que está por irromper. Afinal, no ataque não morreu apenas Soleimani – que é simplesmente a autoridade mais respeitada do Irã, o mais próximo do aitolá Ali Komenini. Os americanos abateram também Abu Mahdi al-Muhandis, chefe das milícias do Iraque, apoiadas pelo Irã.

Como esse ataque tem tudo para provocar um novo conflito internacional, é preciso saber como o Brasil vai se comportar diante dele. Como sabemos, Donald Trump está em campanha para sua reeleição e pode usar essa guerra para incrementar a política armamentista americana, que é o que sustenta o império americano. Mas o Brasil em outros tempos, procurou ficar neutro nesse tipo de conflito. Pela personalidade de Bolsonaro, que adora o estado belicoso tanto interna como externamente, não é de estranhar que ela venha a apoiar a ação dos americanos, ficando ao lado dos EUA e Israel, numa luta interminável com os árabes no Oriente Médio. Teoricamente, o Brasil deveria ficar neutro, mas Bolsonaro, seu guru Olavo de Carvalho e seus filhotes insanos certamente nos arrastarão para o olho do furacão.