Tamanho do texto

Em iniciativa inédita de financiamento público, órgão ligado ao Ministério da Economia apoiará pequenas empresas inovadoras do setor da cannabis

Israel promete investimento alto no mercado da maconha medicinal arrow-options
Pixabay/Creative Commons
Israel promete investimento alto no mercado da maconha medicinal


O Governo de Israel espera investir, durante os próximos cinco anos, US$ 43 milhões no mercado da maconha medicinal , área na qual o país é pioneiro. O investimento será colocado em prática com a abertura de uma incubadora para start-up s atuantes no setor, conforme o anunciado pela Autoridade de Inovação de Israel , órgão público administrado pelo Ministério da Economia.

Com o uso da cannabis para fins medicinais aprovado em 1999, e o acesso facilitado ao longo dos anos, Israel é vanguarda no mercado, cada vez com mais potencial de expansão. O cenário colocou o setor como território fértil para as start-ups , justamente os alvos da nova iniciativa do Governo, que pretende injetar dinheiro em seis dessas pequenas empresas inovadoras.

Segundo o jornal israelense “Haaretz”, a incubadora é considerada um caso inédito de financiamento público na área em questão. A gigante OurCrowd, plataforma de investimentos para start-ups, será a gestora do projeto em parceria com a empresa farmacêutica Perrigo e a Bol Pharma, produtora israelense de maconha medicinal .

Leia também: Após decisão da Justiça, ministro diz que "nada mudou" sobre plantio de maconha

Exportação

No início do ano, em janeiro,  Israel já havia dado um novo passo para expandir o mercado, quando foi aprovada uma lei que permite a exportação da cannabis medicina l. Em abril, nova lei descriminalizou a posse de maconha, o que não significa que a planta foi legalizada. Agora, a punição para cultivo caseiro e porte de pequenas quantidade envolve multas como punição, em vez de processos criminais.

Brasil começando

Longe de ter a mesma relação que Israel mantém com a maconha , o Brasil também teve uma resolução importante nesse campo. No início de dezembro deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a liberação  de produtos medicinais à base de maconha em farmácias.  A compra só pode ser realizada mediante receita médica. A agência reguladora também avaliou uma proposta de regulamentação do cultivo, mas decidiu arquivá-la.