Tamanho do texto

Caso a vitória se confirme, haverá uma mudança nos rumos do governo, que foi exercido pela coalizão de esquerda, Frente Ampla, nos últimos 15 anos

Lacalle arrow-options
BBC
Até o momento, com cerca de 97% das urnas apuradas, Lacalle Pou aparece liderando

Com 97% das urnas apuradas, Luis Lacalle Pou leva pequena vantagem na disputa à presidência do Uruguai

Por volta das 23h da noite desse domingo (24), Luis Lacalle Pou parece confirmar sua vitória, por pequena vantagem, nas eleições presidenciais do Uruguai . Ele tem 48,8% dos votos, enquanto seu opositor, Daniel Martínez, 47,4%.

Leia também: PT reelege Gleisi como presidente e fala em aproximação com o centro político

A apuração tem sido acompanhada voto a voto, com uma disputa muito acirrada e equilibrada entre os dois candidatos.

Lacalle Pou é do Partido Nacional, de centro-direita. Caso a vitória se confirme, haverá uma mudança nos rumos do governo, que foi exercido pela coalizão de esquerda, Frente Ampla , nos últimos 15 anos.

A posse do novo presidente será no 1º de março de 2020.

Luis Lacalle Pou tem 46 anos, é formado em Direito e se dedica à vida política desde que tinha 24 anos. Já foi deputado e senador. Opositor ferrenho do socialismo, Lacalle Pou vem de uma família de políticos. É filho do ex-presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle, que governou de 1990 a 1995 e da ex-senadora Julia Pou. É bisneto de Luis Alberto de Herrera, um dos políticos mais influentes da história do Partido Nacional.

O político defende que o Estado atualmente é caro e ineficiente. Ele propõe maior controle sobre os gastos públicos, redução da dívida pública e, a médio prazo, redução de impostos. Ele defende o fim de algumas políticas sociais criadas nos últimos governos, além de aumentar a idade da aposentadoria e privatizar empresas públicas, por exemplo.

Opositor

Daniel Martínez , 62 anos, é o candidato da coalizão Frente Ampla, que está há 15 anos no poder. Ele é formado em Engenharia Industrial Mecânica e se envolveu na política ainda na década de 70, quando era estudante; se filiou ao partido Frente Ampla em 1973, durante a ditadura militar; foi um dos fundadores do sindicato da empresa estatal de energia (Ancap), onde trabalhou por 14 anos.

Leia também: Antes amorosa, relação entre Brasil e EUA sucumbe diante da realidade

Em 2005, retomou as atividades políticas, das quais tinha ficado alguns anos afastado, para assumir, no primeiro mandato de Tabaré Vázquez, o cargo de presidente da Ancap. Em 2008, foi nomeado ministro da Indústria, Energia e Mineração. Além disso, foi senador durante nove anos. Seu último cargo foi de prefeito de Montevidéu, de 2015 a 2019, quando renunciou para se candidatar à presidência.

Martínez tem forte apoio de setores de médicos, enfermeiros, nutricionistas, acadêmicos, cientistas, arquitetos, professores, atletas e artistas.