Tamanho do texto

Laura Hurst estava em uma casa onde eram mantidos 140 cobras de estimação; tudo indica que ela tenha morrido por estrangulamento

Laura Hurst e uma das cobras que ficava na casa de répteis arrow-options
Reprodução/Facebook Laura Hurst
Em seu perfil no Facebook é possível ver que Laura Hurst era uma fã de cobras

A norte-americana Laura Hurst foi encontrada morta na última quarta-feira (30) em uma “ casa de répteis ” na cidade de Battle Ground, no estado de Indiana, nos Estados Unidos. O lugar tinha cerca de 140 cobras e uma delas estava enrolada no pescoço da mulher de 36 anos.

Leia também: Crocodilo gigante foge de jaula e assusta moradores na Tailândia; assista

De acordo com a polícia de Indiana, a casa foi projetada especificamente para abrigar a coleção de cobras e os animais eram mantidos em gaiolas. Laura era dona de 20 répteis que viviam no local e os visitava frequentemente.

O dono da casa, que também não vive no local, Don Munson, encontrou Laura desacordada com uma cobra píton enrolada em seu pescoço. Ele conseguiu tirar a cobra , mas os paramédicos não conseguiram reanimá-la. Tudo indica que a mulher tenha morrido por estrangulamento, mas a causa da morte só poderá ser confirmada após a divulgação do resultado da autópsia.

Leia também: Homem causa acidente grave ao tentar matar aranha dentro de carro

A píton é a cobra mais comprida com mundo e é nativa do sul e sudeste asiático.