Tamanho do texto

A polícia estava utilizando o canhão de tinta para dispersar manifestantes, quando atingiu a mesquita. Manifestantes limparam o local, após o ocorrido

manifestantes hong kong arrow-options
Reprodução twitter / @thejediwalker
Os manifestantes se juntaram na manhã desta segunda (21), para limpar as grades da mesquita.

Durante protestos  pró-democracia que ocorreram  em Hong Kong na noite deste domingo (20), a polícia da cidade utilizou um canhão de tinta azul para dispersar cerca de 10 manifestantes e jornalistas que estavam em frente a uma mesquita , acertando o prédio da instituição.

Leia também: Governo fecha os olhos para multas bilionárias do Ibama

Os manifestantes não estavam vandalizando a mesquita, que é considerada a maior e mais importante de Hong Kong , apenas utilizando o espaço para se reunirem. Assista o ocorrido:

A tinta possui uma substância de pimenta que queima a pele humana. Ela é utilizada para dispersar e identificar os manifestantes , mas também prejudica edifícios e estruturas que atinge.

Na manhã desta segunda-feira (21), quando membros da comunidade muçulmana se encontraram para ir à mesquita , o local ainda estava encharcado pela tinta. Dezenas de manifestantes se uniram para limpar a frente e as grades da instituição.

Leia também: Projeto do governo de ampliar mineração ameaça 30% das terras indígenas do País

A líder do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam , pediu desculpas pelo ocorrido para a comunidade muçulmana . A polícia da cidade também se desculpou. Este foi o primeiro pedido de desculpas que realizou desde o início dos protestos, em julho. Representantes da mesquita aceitaram as desculpas.