Tamanho do texto

Indígenas, trabalhadores e estudantes voltaram a protestar hoje (10) nas proximidades do palácio presidencial militarizado

Manifestação Indígena no Equador arrow-options
Reprodução/ABr
Manifestação Indígena no Equador





Em meio ao retorno do presidente do Equador , Lenín Moreno , à capital e uma espessa nuvem de gás lacrimogêneo que inundou as ruas estreitas que circundam o centro histórico, dezenas de milhares de indígenas , trabalhadores e estudantes aprofundaram seus protestos hoje (10) e prosseguiram até as proximidades do palácio presidencial militarizado.

Leia também:Movimentos sociais convocam greve geral no Equador; 379 pessoas foram presas

O objetivo era chegar ao Palácio Carondelet, mas o prédio estava completamente cercado e guardado pelas forças de segurança. No entanto, e apesar dos esforços da polícia para conter o progresso, um grande número de manifestantes foi instalado a apenas quatro quarteirões ao norte, na Praça do Teatro. A marcha dos indígenas , entretanto, culminou na Praça de Santo Domingo, também a quatro quarteirões de distância, mas ao sul.

A partir de segunda-feira, os manifestantes começaram a chegar aos milhares em Quito , após um apelo da Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) para lutar contra a suspensão dos subsídios aos combustíveis, medida enquadrada em um plano de ajuste vinculado a um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Leia também: Equador decreta estado de exceção por protestos contra alta de combustíveis

Paralelamente, os principais sindicatos do país pediram uma greve nacional e aderiram aos protestos . Com algumas rotas cortadas, sem transporte urbano e com a capital quase tomada e cheia de barricadas, o governo não pôde retomar a continuidade das aulas, como prometido, o que aumentou a sensação de paralisia em boa parte do país.

Nesse difícil contexto, o presidente tentou recuperar o controle da capital e voltou hoje a Quito , embora seu governo não tenha relatado seu paradeiro exato por razões de segurança. Moreno havia deixado Quito na noite de segunda-feira e se estabelecera na cidade de Guayaquil, o coração econômico do país e o bastião tradicional do centro-direita.

Leia também: Exigência de vistos no Equador para venezuelanos causa caos na Colômbia

A partir daí e enquanto a enorme coluna de povos indígenas atravessava Quito e se aproximava do centro histórico militarizado, ele prometeu manter sua política econômica e, principalmente, a suspensão dos subsídios aos combustíveis e acusou o ex-presidente Rafael Correa de estar por trás de todos os protestos.