Tamanho do texto

Novos monumentos serão inaugurados nos EUA em homenagem às vítimas que morreram nos atentados em Nova York, Pensilvânia e Washington

Trump e Melãnia arrow-options
Donald Trump / Twitter / Divulgação
Presidente dos Estados Unidos prestou condolências à data nas redes sociais

Os Estados Unidos relembram nesta quarta-feira (11) o aniversário de 18 anos dos atentados de 11 de setembro de 2001, que culminaram na queda das Torres Gêmeas, em Nova York, e no ataque do o Pentágono, em Washington, mudando a história do país e deixando 3 mil mortos. 

A data é recordada em meio às controvérsias sobre as fracassadas negociações de paz com o Talibã e o cancelamento de um encontro secreto com líderes do grupo em Camp David.

Como todos os anos, serão feitas cerimônias em homenagem às vítimas em Nova York, Washington e Pensilvânia. Durante a tradicional leitura dos nomes das vítimas, haverá quatro momentos de silêncio.

Leia também: "Suspendi", diz Trump sobre reunião secreta com líderes talibãs

O presidente Donald Trump e a primeira-dama, Melania, fizeram um minuto de silêncio no jardim da Casa Branca para lembrar as vítimas. Ainda hoje, o casal participará de uma cerimônia no memorial do Pentágono. Além disso, será realizado um tributo com dois feixes de luz, que serão projetadas em direção ao céu em forma das Torres Gêmeas e a inauguração de outros seis monumentos dedicados a todos os que morreram devido à exposição de substâncias tóxicas dos escombros.

As construções não terão os nomes gravados, mas contarão com a seguinte inscrição: "Para aqueles cujas ações em tempos de necessidade levaram a doenças, ferimentos e mortes". Até o momento, mais de 51 mil pessoas se inscreveram no Fundo de Compensação para Vítimas (VFC), que visa compensar os doentes e mortos associados aos ataques de 11 de setembro. No total, foram distribuídos mais de US$5 bilhões. 

Leia também: Trump vincula deputada muçulmana a 11 de Setembro e revolta democratas

A iniciativa foi criada em 2001 e operada até 2004. Após várias tentativas de introduzir leis favoráveis dos socorristas do ataque, em 2011, o então presidente Barack Obama assinou uma lei para reativar o programa. 

Quatro anos depois, porém, o democrata aprovou uma medida para garantir os fundos até 2020. Relembre o caso - Os ataques suicidas foram liderados pelo grupo terrorista AL-Qaeda , responsável por jogar dois aviões contra as Torres Gêmeas e um terceiro contra o Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Além desses, um quarto avião caiu em um campo aberto na Pensilvânia, depois da resistência de passageiros e tripulantes.

Leia também: Trump vai a evento em memória ao ataque de 11 de setembro 

Após os atentados, o governo norte-americano lançou uma "Guerra ao Terror", invadindo o Afeganistão e Iraque. Na ocasião, o líder da AL-Qaeda, Osama bin Laden, considerado o mentor da tragédia, foi morto em maio de 2011, no Paquistão. Os EUA ainda modificaram todo o esquema de segurança em voos e aeroportos do país, para evitar qualquer outro ataque semelhante.