Hitler
Reprodução
Homem foi preso após ser flagrado beijando menina de apenas 13 anos

Um homem, que alega ser o 'último parente vivo de Adolf Hitler', foi preso nesta quarta-feira (4) na Alemanha após ser acusado de pedofilia. Ele teria beijado e acariciado uma menina de apenas 13 anos, além de tê-la pedido em casamento.

Leia também: Bolsonaro recua e defende manutenção do teto de gastos: "temos que preservar"

Segundo informações do jornal alemão Bild, Romano-Lukas Hitler , de 69 anos, morador de Goerlitz e que alega ser filho de um dos netos do irmão mais novo do pai de Adolf , Alois, foi preso e acusado do crime após o pai da jovem, identificada apenas como Ania, fazer uma denúncia à polícia.

"Coloquei um anúncio de uma venda de garagem e Hitler respondeu. Porém, quando ele veio olhar os objetos, não demonstrou qualquer interesse em nada, apenas em Ania . Ele ofereceu doces e a convenceu a ir até o seu apartamento. Lá, comprou flores, roupas e até a pediu em casamento", disse o pai da jovem ao jornal.

Ele afirma que tomou a iniciativa de procurar as autoridades quando a menina disse que Hitler a beijou na bochecha e no pescoço sem o seu consentimento. No tribunal, ele se defendeu e afirmou que apenas apreciava a companhia da garota e só a beijou porque este é um modo comum de se cumprimentar as pessoas na Alemanha : "sou inocente".

Leia também: Flordelis reforça inocência e dispara: "pessoas usam minha dor para se promover"

Entretanto, a tentativa de defesa foi dispensada pelo juiz Ulrich Schettgen, que constatou que Hitler realmente beijou a menina sem o consentimento dela. Ele foi condenado a pagar uma multa de 800 euros, cerca de R$ 3.600, e também não poderá se aproximar mais de Ania.

    Veja Também

      Mostrar mais