Tamanho do texto

Aline Barros afirma que homens teriam deixado ela cair e não ajudado a colocá-la na cadeira de rodas; aeroporto de Frankfurt disse que vai investigar

Cadeirante arrow-options
Reprodução/TV Globo
Brasileira relatou descaso de funcionário do local: "ninguém me ajudou"

Funcionários do aeroporto de Frankfurt , na Alemanha, teriam se negado a ajudar uma brasileira que caiu quando estava sendo transferida para fora de um avião. Aline Barros voltava do Brasil e fazia uma conexão no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, para ir pra Dublin, na Irlanda, e diz que os funcionários teriam deixado que ela caísse no chão e não ajudado a colocá-la na cadeira de rodas.

Leia também: STF vai fazer pente-fino nas sentenças de Moro e Bretas para verificar desvios


Segundo Aline, quando saía do avião com a ajuda de funcionários do aeroporto , um deles teria soltado ela no chão. 

“O pessoal da assistência , dois rapazes, um que me transfere. Um me pega pelo braço. Me pega aqui, embaixo do braço, e o outro pega no meu joelho e me transfere para a cadeira. Quando ele foi me transferir, ele afrouxou. Ele me levantou e afrouxou a mão. Meu corpo projetou pra frente. Eu não tenho controle de tronco. Ele deu uma risada sarcástica e me soltou no chão. Eu caí em cima da minha perna que está operada. Eu chorava, eu pedia e eu implorava e ninguém me voltava pra cadeira”, relata Aline em um vídeo.

Ela diz que a confusão começou quando funcionários teriam impedido que ela levasse um travesseiro da companhia aérea . A brasileira gravou um vídeo onde aparece caída ao chão e pedindo ajuda para ser colocada na cadeira de rodas .

“Bom, estou de estômago para o chão, e vou tentar levantar e procurar alguém para me ajudar, porque aqui eles não querem me ajudar. E está todo mundo aqui, mas não conversam comigo. Eles não querem empurrar a minha cadeira. Eu vou lá fora e encontrar alguém”, diz.

Leia também: Fusão de programas sociais pode dobrar impacto sobre desigualdades

Aline é paraplégica e não tem os movimentos das pernas, nem do tronco.

O aeroporto de Frankfurt e da agência de viagens contratada por Aline afirmaram que não sabiam do incidente e que irão investigar o caso.