Tamanho do texto

Relação entre os dois países volta a ficar tensa. Depois de repressão violenta aos protestos, manifestante voltam às ruas da capital da Geórgia pedindo a renúncia do ministro

Agência Brasil

Kremilin à noite
Pavel Kazachkov/Creative Commons
O governo russo cortou relações com a Geórgia em 2008, depois da guerra que "anexou" partes do país ao território russo


Pela segunda noite consecutiva, milhares de pessoas protestaram do lado de fora do parlamento da Geórgia e exigiram eleições parlamentares antecipadas.

Cerca de 15 mil pessoas se reuniram em frente ao Congresso na capital Tbilisi, apesar dos confrontos com a polícia ocorridos na noite anterior que deixaram 240 feridos. Mais de 300 pessoas foram presas nas demonstrações contra as forças militares da Rússia e sua influência na região.

Leia mais:  Rússia e Geórgia trocam acusações após protestos que deixaram 200 feridos

Mais cedo nesta sexta-feira, o presidente do parlamento da Geórgia, Irakli Kobakhidze, deixou o cargo, depois que manifestantes e a oposição exigiram sua renúncia.

Ele foi responsabilizado pela polêmica visita de uma delegação russa ocorrida na quinta-feira, na qual um parlamentar russo discursou sentado no lugar do presidente de Irakli.

A visita foi considerada pouco usual, já que a Geórgia cortou relações diplomáticas com o Kremlin durante a guerra de 2008 entre os dois países. Desde então, contatos políticos são raros.

A oposição agora pede eleições parlamentares antecipadas e a renúncia do ministro do Interior, Giorgi Gakharia, responsabilizado pela ação violenta da polícia durante os protestos da noite de quinta-feira.

Rússia suspende voos

Em resposta aos protestos, o presidente russo, Vladimir Putin , assinou um decreto nesta sexta-feira proibindo temporariamente que companhias aéreas russas voem para a Geórgia a partir de julho.

Leia mais:  Rússia vai criar grupo para atuar contra planos de intervenção na Venezuela

As tensões entre a Rússia e a Geórgia permanecem mais de uma década depois que as duas nações travaram uma guerra na qual a Geórgia perdeu efetivamente dois grandes pedaços de seu território – a Ossétia do Sul e a Abkázia.

O governo da Rússia reconheceu ambas as áreas como estados independentes e estacionou bases militares permanentes em cada uma.