Tamanho do texto

Grupo de seis turistas havia alugado estadia em Santiago para comemorar o aniversário de uma das crianças; polícia aponta para vazamento de gás

família
Reprodução/Facebook
Família de brasileiros é encontrada morta por inalação de gás que vazou em apartamento alugado no Chile

Seis turistas brasileiros foram encontrados mortos em um apartamento alugado em Santiago, na capital do Chile, nas primeiras horas desta quinta-feira (23). A principal suspeita da polícia local é que todos tenham sido vítimas de um vazamento de gás.

Leia também: Lembre histórias de brasileiros que morreram no exterior

O grupo, que integrava uma mesma família, estava de férias e havia alugado o imóvel através de um aplicativo. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a família dos  brasileiros recebeu telefonemas nesta quarta-feira (22) dos turistas, os quais diziam coisas sem sentido e desconexas. Eles também diziam estar passando mal.

Preocupados, os familiares entraram em contato com a polícia. Um delegado de Florianópolis, então, acionou o Consulado brasileiro no Chile , que enviou um representante ao apartamento .

Leia também: Família de brasileiros mortos no Chile planejava voltar ao Brasil para velório de parente

O diplomata encontrou seis corpos: de quatro adultos e duas crianças. A prima de um dos brasileiros contou que cinco deles eram de Santa Catarina e forneceu os nomes.

Tratam-se de dois casais, um deles com filhos: Fabiano de Souza, de 41 anos, Débora Muniz Nascimento de Souza, de 38 anos, Caroline Nascimento de Souza, de 15 anos, Felipe Nascimento de Souza, de 13 anos, Jonathas Nascimento Kruger, de 30 anos, e Adriane Krueger, cuja idade não foi confirmada.

As autoridades e equipes do Corpo de Bombeiros local encontraram uma alta concentração de monóxido de carbono no apartamento, um gás incolor cuja inalação pode levar à morte. O prédio onde os brasileiros estavam fica na esquina das ruas Santo Domingo e Mosqueto, no centro de Santiago, e foi completamente esvaziado pelas autoridades.

Leia também: Quatro militares brasileiros mortos no Haiti voltariam para casa em janeiro