Tamanho do texto

A pequena Zoey Pereira, de apenas três anos, foi acorrentada pelo pai no banco traseiro do carro e morreu carbonizada; caso aconteceu em Nova York

Zoey Pereira
Reprodução/Facebook
Zoey Pereira, de apenas três anos, morreu carbonizada dentro do carro

Na noite do último domingo (5), um crime chocante aconteceu no bairro do Queens, na cidade de Nova York (EUA). Um homem, identificado como Martin Pereira, prendeu a própria filha no banco traseiro de seu carro e ateou fogo no veículo, matando a menina de apenas três anos carbonizada.

Segundo informações da ABC, Martin teria acorrentado a filha antes de incendiar o carro, um Audi A6 Sedan. Ele, inclusive, acabou sendo atingido pelas chamas e teve que se jogar em uma lagoa próxima ao local do crime, que fica em um parque na região do Springfield Gardens.

Leia também: EUA divulgam nota sobre aumento de tarifas em importações da China

Quando os bombeiros chegaram ao local, resgataram a pequena Zoey de dentro do veículo e a encaminharam às pressas para um hospital da região. Porém, quando chegou ao local, ela foi declarada morta.

Os agentes da polícia que atenderam ao chamado encontraram Martin ainda dentro da lagoa e bastante ferido. Após ser preso, ele foi encaminhado para o hospital sob escolta para tratar dos ferimentos. Tão logo se recupere, será encaminhado para a delegacia e denunciado pelo crime.

"Você nunca mais verá sua filha"

Em entrevista ao New York Daily News, a mãe da menina , Cherone Coleman, disse que disputava judicialmente a guarda de Zoey com o ex-marido. Inclusive, revelou ter recebido ameaças dele, mas nunca imaginou que pudesse fazer algo contra a própria filha.

"Antes de queima-la viva, ele me ligou, dizendo muitas coisas loucas. Eu não entendi a maior parte delas, só lembro que me xingou muito, perguntando se 'agora tinha a minha atenção', e disse que eu nunca mais a veria", lamentou Cherone.

Leia também: Após anúncio sobre acordo nuclear, EUA impõem novas sanções ao Irã

"Eu pensei que ele quisesse me machucar, pelo fato de estarmos brigando pela custódia dela. Jamais imaginei que faria algo contra a própria filha . Não deveria ter deixado ele levá-la embora daqui de casa. Deveria ter desrespeitado a lei e ido presa. Assim, ela ainda estaria viva", finalizou.