Tamanho do texto

Segundo Israel, os disparos provenientes da Faixa de Gaza deixaram um morto no lado israelense, enquanto os palestinos contabilizaram seis vítimas

Faixa de Gaza
Reprodução/Twitter
Confrontos na Faixa de Gaza mataram dois integrantes do Hamas


A tensão entre israelenses e palestinos na Faixa de Gaza continuou a aumentar na manhã deste domingo (5). Combatentes palestinos lançaram, até o momento, 450 foguetes contra Israel, que reagiu com vários ataques de retaliação. O ataque aéreo matou dois militantes do grupo islâmico Hamas, que domina Gaza.

Leia também: Netanyahu ordena 'ataques massivos' em Gaza em terceiro dia de confrontos

Segundo as autoridades israelenses, os disparos provenientes da Faixa de Gaza deixaram um morto no lado israelense, enquanto os palestinos contabilizaram seis vítimas fatais pela retaliação de Israel, entre eles, intergantes do Hamas .

Essa escalada já havia começado na sexta-feira (3), quando dois soldados israelenses ficaram feridos por disparos efetuados a partir de Gaza. As forças de defesa de Israel reagiram com vários ataques contra a Faixa de Gaza .

Leia também: Em carta, Bolsonaro diz: "Querem me afastar dos amigos judeus"

Segundo militares israelenses, tanques e aviões atacaram ao menos de 220 alvos no enclave palestino, entre eles, um túnel da milícia radical Jihad Islâmica que ia de Gaza a Israe l.

Outros dois palestinos que estavam protestando perto da fronteira também foram mortos por forças israelenses.

Além de dezenas de feridos, também morreram um bebê e sua mãe grávida, disseram os palestinos. O Exército de Israel afirmou neste domingo, no entanto, que bebê e mãe palestinos faleceram no sábado (4) na Faixa de Gaza em consequência de um foguete do movimento islâmico Hamas e não de bombardeios de represália israelenses.

"Baseado numa avaliação de inteligência, podemos confirmar que morreram por causa de um foguete do Hamas", informou um porta-voz do Exército de Israel.

Leia também: Embaixador da Palestina recomenda Brasil a "não comprar briga que não é sua"

O Hamas negou a informação, e segundo o chefe de emergência do hospital de Shifa, neste sábado, foram recebidos os corpos de uma criança de 14 meses e de sua mãe grávida ferida, que mais tarde morreu devido aos estilhaços de um míssil que caiu perto de sua casa.

Até agora, os palestinos registraram seis mortos: quatro membros de milícias armadas, a mãe e o bebê, segundo o Ministério de Saúde do enclave.

Pelo lado israelense, um homem de 60 anos morreu no hospital devido a ferimentos causados por um foguete que caiu na cidade de Ashkelon.

Neste domingo, o primeiro-ministro e titular de Defesa de Israel, Benjamin Netanyahu, deu instruções ao Exército para continuar a operação contra o lançamento em massa de projéteis por parte de combatentes palestinos a partir da Faixa de Gaza e reforçar as tropas na região de fronteira.

"Ordenei que continuem os ataques maciços contra alvos terroristas em Gaza e o reforço das tropas de blindados, artilharia e infantaria em torno da Faixa", declarou o chefe de governo.

O primeiro-ministro israelense pediu aos residentes de Israel que sigam as instruções de segurança, como ficar perto dos refúgios antiaéreos e afirmou estar trabalhando "para restaurar a paz e a segurança para os moradores do sul". O Hamas ainda não se pronunciou.