Tamanho do texto

O novo imperador assumiu o trono após a abdicação de seu pai, Akihito, e prometeu seguir a Constituição e respaldar o povo japonês

naruhito ao lado de akihito
Reprodução/Yicai China
Novo imperador, Naruhito, ao lado do seu pai, Akihito

O novo imperador do Japão, Naruhito, assumiu nesta quarta-feira (01) o Trono de Crisântemo, após a abdicação de seu pai, Akihito. Em seu pronunciamento oficial, o monarca prometeu respaldar o povo e agir de acordo com a Constituição.

“Ao aceder ao trono, juro que terei em profunda consideração o curso seguido por Sua Majestade o imperador emérito ( Akihito )”, disse Naruhito , que também se comprometeu “agir de acordo com a Constituição” e a ter sempre presente em seus pensamentos “o povo e respaldá-lo”.

O discurso foi realizado perante poucos convidados no Palácio Imperial. No ritual, Naruhito herdou os tesouros imperiais do Japão e os selos imperiais, símbolo de seu poder como imperador.

“Quando penso na grande responsabilidade que assumi, me enche um sentimento de solenidade”, disse o novo imperador, de 59 anos, no início de seu discurso diante de 266 representantes políticos e institucionais e membros da família imperial.

Leia também: Conheça Akihito, o imperador que renunciou após 30 anos de reinado no Japão

O imperador Akihito, pai de Naruhito , chegou ao trono quando tinha 55 anos de idade, após a morte de seu pai. Foi o primeiro a assumir a posição seguindo a Constituição pós-guerra, que define o seu papel como o de "símbolo do Estado".

O imperador Akihito, pai de Naruhito , chegou ao trono quando tinha 55 anos de idade, após a morte de seu pai. Foi o primeiro a assumir a posição seguindo a Constituição pós-guerra, que define o seu papel como o de "símbolo do Estado".

Em uma rara mensagem proferida três anos atrás, Akihito expressou preocupação de que sua avançada idade pudesse dificultá-lo de continuar cumprindo seus deveres, e isto foi visto como um desejo de renunciar ao trono.

Mas não havia uma estrutura legal para a abdicação, e além disso, a Constituição do país proíbe que o imperador tenha quaisquer influências políticas. Mas, como muitos japoneses expressaram simpatia por ele, o parlamento aprovou uma lei especificamente para permitir que ele abdicasse.