Onda de atentados no Sri Lanka deixou mais de 300 mortos
St. Sebastian's Church
Onda de atentados no Sri Lanka deixou mais de 300 mortos

Integrantes do grupo que organizou  atentados em igrejas e hotéis em Colombo, a maior cidade do Sri Lanka, e em outra cidade no leste, que deixaram 321 mortos e cerca de 500 feridos no último domingo (21), podem ter passado por um treinamento militar no exterior, segundo o governo local.

Leia também: Estado Islâmico reivindica autoria de ataque que deixou 321 mortos no Sri Lanka

Em entrevista coletiva nessa terça-feira (23), o premiê do Sri Lanka , Ranil Wickremesinghe, disse que os atentados foram ataques suicidas organizados por um grupo islamista do país. Segundo Wickremesinghe, autoridades identificaram a maioria dos membros da organização, inclusive o seu possível líder.

Em discurso transmitido pela TV, também na terça, o presidente cingalês Maithripala Sirisena disse que as autoridades de segurança começaram a monitorar o grupo terrorista há dois anos, após receber um relatório da inteligência.

Sirisena afirmou que as autoridades têm acompanhado atentamente as viagens ao exterior dos membros da organização e outras atividades, mas não obtiveram evidências suficientes para prendê-los.

Leia também: Atentados no Sri Lanka podem ter sido represália por massacre na Nova Zelândia

O grupo Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria dos ataques. Segundo investigadores, os homens-bomba estariam envolvidos com a organização. O Sri Lanka tem recebido ajuda do Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos (FBI, na sigla em inglês) e de outras autoridades internacionais de segurança para investigar os atentados.

*Com informações da NHK (emissora pública de televisão do Japão)

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários