Tamanho do texto

Novo movimento para isolar a Venezuela foi anunciado a pós confrontos armados na fronteira com o Brasil e show humanitário; regime Maduro vê "ameaças" do governo do colombiano Iván Duque, aliado de Donald Trump

Nicolás Maduro ordenou fechamento das fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia
Divulgação/Twitter - @NicolasMaduro
Nicolás Maduro ordenou fechamento das fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia

O governo de Nicolás Maduro na Venezuela anunciou, na noite dessa sexta-feira (22), o fechamento da fronteira do país com a Colômbia. O novo movimento em direção ao isolamento do país se dá 24 horas após  tropas alinhadas com o governo chavista se posicionarem na fronteira com o Brasil.

O anúncio partiu da vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, que citou "ameaças ilegais" do governo colombiano. "O governo bolivariano informa a população que, devido às sérias e ilegais ameaças do governo da Colômbia contra a paz e a soberania da Venezuela , foi tomada a decisão de fechar totalmente as pontes Simón Bolívar, Santander e Unión", anunciou Delcy.

As três pontes citadas ficam no estado venezuelano de Táchira. A Puente internacional Francisco de Paula Santander está localizada a apenas sete quilômetros de distância da Puente Tienditas, que também está fechada por contêineres e, na tarde dessa sexta-feira, serviu de palco para o show humanitário "Venezuela Aid Live". O evento reuniu artistas como Maná, Maluma e Alejandro Sanz.

Leia também: Ajuda humanitária de Brasil e EUA chega à fronteira vigiada por tropas de Maduro

Apesar de ter sido, oficialmente, um festival para chamar a atenção do mundo para a carência de ajuda humanitária na Venezuela, o evento se tornou também um ato político contra o governo de Nicolás Maduro e a favor do autodeclarado presidente encarregado, Juan Guaidó.

Ao anunciar o fechamento da fronteira com a Colômbia , a vice de Maduro também disparou críticas contra o presidente colombiano, Iván Duque, acusado de servir aos interesses dos Estados Unidos contra a soberania venezuelana.

"Em exigência ao respeito aos direitos fundamentais e normas internacionais, exigimos que Iván Duque que interrompa suas ações infames e pare de facilitar o território da Colômbia para atentar, por ordem de Donald Trump, contra o direito dos venezuelanos de viverem em paz e em soberania", complementou Delcy.

Leia também: Bolsonaro monitora confrontos na fronteira da Venezuela, mas mantém ajuda

A Colômbia sediará nessa próxima semana, em Bogotá, reunião do Grupo de Lima para discutir a situação da Venezuela . Estarão representando o Brasil na discussão o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB), e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.