Tamanho do texto

Na Irlanda, julgamento provocou revolta e protestos após juri inocentar acusado por estupro; advogada exibiu peça íntima usada pela suposta vítima para tentar provar que ela estava "disposta a ter relações sexuais"

Deputada Ruth Coppinger levou fio-dental para o Parlamento irlandês para protestar contra a absolvição
Divulgação
Deputada Ruth Coppinger levou fio-dental para o Parlamento irlandês para protestar contra a absolvição

O desfecho de um julgamento na Irlanda vem gerando revolta nas redes sociais após um homem de 27 anos acusado de estupro por uma jovem de 17 anos ter sido declarado inocente pelo juri. Durante o processo, a advogada do réu utilizou o modelo da calcinha fio dental igual ao utilizado pela jovem como evidência de que a mulher estava disposta a ter relações sexuais.

A sentença e os detalhes do caso viralizaram na internet e ativistas acusaram a defesa do homem de "culpabilizar a vítima" de estupro . Nas redes sociais, diversas mulheres publicaram fotos de suas roupas íntimas com a hashtag #ThisIsNotConsent (isso não é consentimento).

A deputada Ruth Coppinger também entrou na onda de protestou e levou calcinha fio dental para o Parlamento irlandês para protestar contra a absolvição do acusado. "Pode parecer embaraçoso mostrar isso aqui, mas como vocês acham que uma vítima de estupro se sente ao ter sua roupa utilizada contra ela em um tribunal?", questionou a parlamentar.

Acusado e suposta vítima, que não tiveram suas identidades reveladas, estavam em um festival de música em York. De acordo com o acusado, os dois se beijaram e tiveram contato sexual, mas não chegaram a consumar o ato, pois a mulher pediu para que ele parasse e ele atendeu. Ainda segundo ele, a jovem o acusou de estupro na mesma hora, o que ele negou prontamente.

A acusação por sua vez, alega que o homem arrastou a vítima para uma área reclusa e abusou sexualmente dela. De acordo com a promotoria, nenhuma testemunha viu o dois se beijando e uma pessoa teria visto o homem com a mão na frente da boca da jovem.

Foi nas considerações finais da defesa que surgiu a evidência que gerou polêmica: com uma calcinha em mãos, a advogada Elizabeth O'Connell apelou para o juri. "Vocês precisam considerar a forma como a garota estava vestida. Isso mostra que ela estava pronta para conhecer alguém e ter uma relação sexual", argumentou a advogada.

Os protestos, que se iniciaram no dia que os autos do julgamento foram publicados e ganharam força após a sentença foram iniciados pelo Dublin Rape Crisis Centre, organização que trabalha para auxiliar vítimas de violência sexual. "Muitas vezes a roupa que a mulher estava usando ou a quantidade de bebida que ela consumiu são levadas em consideração em casos de estupro ", disse Noeline Blackwell, presidente do grupo, que pede uma reforma no sistema legal para impedir que esse tipo de argumento seja usado como evidência em um tribunal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.