Tamanho do texto

Presidente venezuelano decidiu ir ao Estados Unidos para "defender a verdade" e levando a "voz do povo"; Venezuela foi denunciada por crimes de lesa-humanidade no Tribunal Penal Internacional (TPI) por seis países

Nicolás Maduro viajou nesta quarta-feira a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU
Reprodução/ Twitter
Nicolás Maduro viajou nesta quarta-feira a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decidiu “de última hora” ir para Nova York, nesta quarta-feira (26), para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). "Aterrissando em Nova York para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas. Trago a voz de todo o meu povo, venho carregado de paixão pela pátria para defender a verdade", escreveu Maduro no Twitter.

Na semana passada, o  presidente venezuelano havia dito que ainda estava avaliando se havia condições de segurança para participar da Assembleia, e afirmou que havia planos para assassiná-lo. Desde então, não estava claro se Nicolás Maduro iria ou não à ONU.

Também nesta quarta-feira (26), a Venezuela acusou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de promover uma "insurreição militar" no país, depois que o presidente americano advertiu na ONU que Maduro poderia ser derrubado por seus militares se estes quisessem.

"A Venezuela manifesta a sua mais enérgica rejeição ante as declarações belicosas e ingerencistas emitidas pelo presidente dos Estados Unidos (...), orientadas a promover uma insurreição militar no país", disse a Chancelaria em comunicado.

Apesar das trocas de acusações, Donald Trump disse estar disposto a se encontrar com Maduro na ONU, caso o governante venezuelano quisesse. No entanto, fontes da Casa Branca indicaram que, até o momento, não estão agendadas reuniões entre ambos.

Leia também: Trump gera risos na ONU ao dizer que faz o melhor governo da história dos EUA

Nicolás Maduro denunciado

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi denunciado por seis países por crimes de lesa-humanidade
Reprodução/Twitter/Nicolás Maduro
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi denunciado por seis países por crimes de lesa-humanidade

Líderes de Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru enviaram nesta quarta-feira (26) uma carta ao Tribunal Penal Internacional ( TPI ) com um pedido de investigação por crimes de lesa-humanidade cometidos pelo regime de Nicolás Maduro desde fevereiro de 2014 na Venezuela.

Até quinta-feira (27), a Procuradoria do tribunal se pronunciará sobre o documento. Entre as acusações citadas pelo chanceler argentino, Jorge Faurie, estão “detenções arbitrárias, assassinatos, execuções extrajudiciais, torturas, abusos sexuais, violações, atentados contra o devido processo”. Algumas das vítimas são menores de idade, afirmou o ministro. Se as denúncias forem comprovadas, "ficariam claramente configurados os crimes de lesa humanidade", acrescentou.

A corte já examina preliminarmente a situação no país caribenho desde o ano passado. Essa etapa antecede a abertura de uma investigação formal e não tem prazo para terminar; pode levar alguns meses ou até anos.

O tribunal apura se houve o uso excessivo de força pelas tropas do governo para dispersar e reprimir manifestantes, além de detenções aleatórias e abusos cometidos contra eles durante o encarceramento.

Leia também: Em último discurso na ONU, Temer critica intolerância e unilateralismo

As agressões cometidas por opositores contra forças de Nicolás Maduro  também estão no escopo de análise da procuradoria do TPI. ​A carta desta quarta pede ao TPI que acelere essa investigação e apresente suas conclusões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.