Tamanho do texto

Pouco mais de um mês após o fim do surto em Équateur, novos casos da doença surgem em província a 2.500 quilômetros de distância; entenda

Essa é a nona vez que a República Democrática do Congo enfrenta um surto de Ebola no país
shutterstock
Essa é a nona vez que a República Democrática do Congo enfrenta um surto de Ebola no país

Resultados preliminares de exames laboratoriais indicam um novo surto de Ebola na República Democrática do Congo, informou o governo. A notícia vem pouco mais de uma semana depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter decretado o  fim do surto da doença na província de Équateur.

Desta vez, o surto de Ebola ocorre na província Kivu do Norte, localizada ao leste do país - a cerca de 2.500 quilômetros de distância de Equateur. De acordo com o Ministério da Saúde local, pelo menos 26 casos de febre hemorrágica já foram notificados, além de 20 mortes.

Ainda segundo a pasta, quatro de seis amostras testaram positivo para Ebola. Novos testes estão em andamento.

“O Ebola é uma ameaça constante na República Democrática do Congo ”, avaliou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, por meio de comunicado.

“O que aumenta nossa confiança na capacidade de resposta do país é a transparência que voltaram a exibir. Trabalhando em estreita colaboração com o Ministério da Saúde e parceiros, vamos lutar contra este surto como fizemos com o último”.

A província de Kivu do Norte concentra mais de 1 milhão de refugiados e faz fronteira com Ruanda e com Uganda. O local registra grande movimento de pessoas em razão de atividades comerciais. A OMS já alertou autoridades de países vizinhos para que se mantenham alertas e preparadas caso seja necessário agir contra o Ebola.

Leia também: Ebola voltou: entenda como a doença se espalha e por que o vírus é tão temido

Fim do surto de Ebola em Equateur

Reprodução do vírus responsável pelo surto de Ebola, que causa a febre hemorrágica capaz de matar entre 50% e 90% dos afetados
shutterstock
Reprodução do vírus responsável pelo surto de Ebola, que causa a febre hemorrágica capaz de matar entre 50% e 90% dos afetados

No dia 24 de julho, o Ministério da Saúde da República Democrática do Congo declarou fim à epidemia de Ebola no país africano. Após 33 mortes, a doença não causou mais nenhuma vítima nos últimos 42 dias - o equivalente a duas vezes o período de incubação do vírus.

A notícia, que já havia sido antecipada pela OMS há uma semana, foi anunciada oficialmente em um comunicado do ministro da Saúde, Oly Ilunga Kalenga. "Declaro a partir deste dia, o fim da epidemia de Ebola na província de Equateur, na República Democrática do Congo", escreveu.

Detectada no noroeste do Congo em abril, a epidemia foi tratada pela OMS e pelas autoridades congolesas. A mobilização resultou na  implantação de uma vacina experimental contra a doença, que foi ministrada para mais de 3,3 mil pessoas nas áreas de risco.

A ação ajudou a conter o Ebola no Congo , mesmo quando ele atingiu a área de Mbandaka, região de alto risco de contaminação, onde 1,5 milhão de pessoas vivem com a ligações de corrente de ar e de rios com a capital Kinshasa.

"No total, depois da verificação, o comitê de coordenação nacional registrou 54 casos (de Ebola), com 33 mortos e 21 sobreviventes", ressaltou Ilunga.

Leia também: Nove países africanos correm risco de transmissão do vírus Ebola, afirma OMS 

Seguindo os padrões internacionais, uma epidemia ou surto de Ebola só são consideradas finalizadas depois de 42 dias que as amostras de sangue do último caso foram negativas pela segunda vez.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.