Tamanho do texto

Nova Constituição de Cuba tira termo comunismo do documento, reconhece o direito à propriedade privada e ao casamento de pessoas do mesmo sexo

Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba aprova nova Constituição para o país comunista
Divulgação
Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba aprova nova Constituição para o país comunista

A Assembleia Nacional de Cuba aprovou neste domingo (22) um antiprojeto de reforma da Constituição do país e marcou uma consulta popular entre 13 de agosto e 15 de novembro para validar a proposta.

Leia também: Homem armado nos EUA faz reféns após atirar sete vezes na avó e mata mulher

Antes disso, porém, serão incorporadas ao texto as modificações aprovadas durante o debate parlamentar que durou dois dias, afinal, eram 224 artigos que podem configurar uma profunda reforma e uma modernização na Constituição de Cuba . Um dos principais objetivos é adequar o texto às mudanças econômicas e sociais pelos quais a ilha comunista passou nos últimos anos.

A princípio, a abertura para a participação popular terá um caráter apenas consultivo, mas não está descartada a possibilidade de, após isso, novas variações ao anteprojeto de Carta Magna sejam incluídos. Só a partir de então, deverá ser realizado um referendo em data ainda não anunciada, mas previsto para o fim desse ano, que deverá corroborar a nova Constituição.

A proposta deverá substituir a Constituição escrita em 1976 que estabelecia Cuba como um Estado comunista, liderado por Fidel Castro, após a Revolução de 1959, ainda sobre a influência da União Soviética.

O que muda na nova Constituição de Cuba?

Ex-presidente de Cuba e atual presidente do Partido Comunista, Raúl Castro conduziu a Assembleia Constituinte
Jorge Gonzalez/Associated Pres
Ex-presidente de Cuba e atual presidente do Partido Comunista, Raúl Castro conduziu a Assembleia Constituinte

A Assembleia Constituinte conduzida pelo ex-presidente e atual líder do Partido Comunista, Raúl Castro, iniciou-se no sábado (21) e encerrou-se neste domingo (22).

Leia também: Revista “Time” traz fusão de Trump e Putin na capa do mês de julho

As mudanças discutidas nesse fim de semana eliminam, por exemplo, o termo " comunismo " da legislação. O novo documento vai suprimir um trecho que cita o "avanço para a sociedade comunista", mas mantém os princípios do socialismo e o monopólio do poder do Partido Comunista. Segundo o presidente da Assembleia Nacional, Esteban Lazo, "isto não quer dizer que renunciamos às nossas ideias, mas que em nossa visão pensamos em um país socialista, soberano, independente, próspero e sustentável."

Além disso, a Carta Magna de Cuba vai reconhecer pela primeira vez o direito à propriedade privada como parte da economia do País. Raúl Castro, que conduziu a Constituinte, antes de passar o comando do país para o atual presidente Miguel Díaz Canel, já tinha autorizado a compra e venda de casas, algo que foi proibido durante décadas na ilha.

Outro ponto incluído na legislação também trata da igualdade de gênero e abre precedente para a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Essa é uma mudança importante já que após a Revolução Comunista de 1959, homossexuais foram perseguidos no país, motivo que fez com que o próprio Fidel Castro pedisse desculpas publicamente anos depois.

Leia também: Israel aprova lei polêmica que o define como o Estado Nação dos judeus

Já no que diz respeito às regras políticas, a nova Constituição de Cuba também impõe o limite de dois mandatos consecutivos de cinco anos ao presidente. Este, porém, continuará sendo eleito pelo Parlamento totalmente constituído pelo Partido Comunista. Além disso, será criado um cargo de primeiro-ministro que deverá comandar um Conselho de Ministros que constituirão o governo da República de Cuba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.