Tamanho do texto

Gravação foi divulgada nesta terça-feira por uma organização de jornalismo investigativo e aumenta a polêmica sobre a política migratória de Trump

Aproximadamente 2,3 mil crianças já foram tiradas de seus pais desde que a nova política migratória dos Estados Unidos
Wikimedia Commons
Aproximadamente 2,3 mil crianças já foram tiradas de seus pais desde que a nova política migratória dos Estados Unidos

Um áudio de crianças desesperadas chorando após serem separadas de seus pais na fronteira dos Estados Unidos aumentou a polêmica envolvendo a política migratória do presidente norte-americano, Donald Trump . Na gravação, divulgada pela organização de jornalismo investigativo ProPublica nesta terça-feira (19), é possível ouvir uma criança dizendo em espanhol “Papai! Papai!”.

Segundo a ativista Jennifer Harbury, o áudio foi gravado na última semana e entregue à imprensa por um informante. Em oito minutos, também se ouve outras crianças chorando e um agente de custódia dos Estados Unidos fazendo um comentário sarcástico: "Aqui temos uma orquestra, mas falta um maestro".

Apesar de não haver indícios de onde a gravação teria sido feita, a agência Associated Press visitou um armazém antigo no sul do Texas onde centenas de crianças ficam dentro de gaiolas de metal, com água e sacos de batatas fritas. São crianças desacompanhadas e sem documentos que tiveram problemas na imigração - ou os pais foram barrados pelos EUA e separados dos filhos.

Aproximadamente 2,3 mil crianças já foram tiradas de seus pais desde que a nova política migratória de Trump começou a vigorar, a qual criminaliza todos os casos de entrada ilegal nos EUA, principalmente na fronteira com o México.

E cada vez mais surgem histórias de crianças que foram arrancadas dos braços dos pais, sendo que estes são incapazes de saber para onde os filhos foram levados.

Alvo de críticas, Trump se pronunciou nesta terça-feira (19) pelo Twitter. "Devemos sempre prender as pessoas que entram ilegalmente no nosso país. De 12 mil crianças, 10 mil são mandadas por seus pais em uma viagem muito perigosa e somente 2 mil estão com os pais. Muitos tentaram mais de uma vez entrar ilegalmente no nosso país", disse. 

Leia também: Itamaraty aguarda denúncia contra brasileiros que assediaram russa

Melania Trump crítica política migratória

Melania Trump, esposa do presidente dos EUA, protagonizou um feito inédito: ela criticou uma política radical adotada por orientação de Donald Trump, que quer impedir a entrada de imigrantes ilegais no país.

Donald Trump vem sendo criticado por personalidades norte-americanas e organismos internacionais por causa da política de separar crianças de pais que cruzam a fronteira ilegalmente. 

"A primeira-dama odeia ver crianças separadas de suas famílias e espera que ambos os lados [democratas e republicanos] possam se unir para obter uma reforma migratória de sucesso", disse a porta-voz de Melania, Stephanie Grisham, no último domingo (17).

"Ela acredita que devemos ser um país que segue todas as leis, mas também um país que governe com o coração", acrescentou. Já a ex-primeira-dama Laura Bush publicou um artigo no jornal The Washington Post afirmando que a separação de pais e filhos é "cruel, imoral e desoladora".

Leia também: Rival de Putin convoca protesto na Rússia durante Copa do Mundo

O objetivo do governo dos  Estados Unidos  é dissuadir pessoas que estejam pensando em cruzar a fronteira ilegalmente com suas famílias. "Não queremos que aconteça conosco o que está acontecendo com a Europa com a imigração", escreveu Donald Trump em sua página nas redes sociais da internet, afirmando que "o povo da Alemanha está se virando contra sua liderança".

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.