Confrontos na Faixa de Gaza ocorrem desde o dia 30 de março; mais de 110 palestinos já morreram em confrontos
Reprodução/Twitter
Confrontos na Faixa de Gaza ocorrem desde o dia 30 de março; mais de 110 palestinos já morreram em confrontos

Um novo confronto com o Exército de Israel ao longo da fronteira da Faixa de Gaza deixou três manifestantes palestinos mortos nesta sexta-feira (8). O balanço foi divulgado pela imprensa palestina, que fala também em 618 feridos.

"Os manifestantes queimaram pneus, atiraram tubos e artefatos explosivos e pedras contra os soldados. Também lançaram uma pipa com um artefato explosivo que explodiu no ar", disse o Exército sobre o protesto na Faixa de Gaza .

As vítimas faleceram em Khan Yunis e Rafah, no sul do território, e em Jabaliya, ao norte da cidade de Gaza. De acordo com as Forças Armadas israelenses, cerca de 10 mil pessoas participaram de atos em cinco pontos da fronteira.

A "Marcha do Retorno" coincidiu nesta sexta com o "Dia de Al Quds" (Jerusalém em árabe) e foi convocada pelo grupo fundamentalista Hamas. Desde 30 de março, mais de 110 palestinos já morreram em confrontos com tropas israelenses em Gaza.

"A determinação e o profissionalismo dos soldados do Exército israelense na fronteira com Gaza deram outra boa prova", afirmou no Twitter o ministro da Defesa Avigdor Lieberman. Os atos também são motivados pelo reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos.

ONU tem criticado violência

Em maio, o coordenador especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Paz no Oriente Médio, Nikolay Mladenov, criticou a forma "indiscriminada" como Israel usa violência contra palestinos em Gaza . De acordo com ele, o país de Benjamin Netanyahu "precisa calibrar o uso da força e deve proteger suas fronteiras, mas de modo proporcional".

A declaração do coordenador da ONU foi dada um dia depois de 60 palestinos serem mortos e outros 2,7 mil serem feridos, em confrontos derivados de protestos. Essas manifestações ocorreram em decorrência da polêmica inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém.

Você viu?

Mladenov disse ainda que o Hamas, por sua vez, "não deve usar os protestos para colocar bombas e fazer atos provocativos", explicou. "A comunidade internacional deve intervir e impedir a guerra", acrescentou o coordenador, definindo a situação como "desesperadora".

Mladenov não foi o único a criticar a reação de Israel contra os palestinos. Mais cedo, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Rupert Colville, também denunciou que "parece que qualquer um pode ser morto a tiros".

No entanto, o direito internacional prevê que a "força letal só pode ser usada como medida de último, não de primeiro, recurso".

Vítimas "eram terroristas", diz Israel

A fim de justificar a violência, o Ministério de Segurança Interna e o Exército de Israel informaram que pelo menos 24 dos 60 palestinos mortos nos conflitos naquela ocasião "eram terroristas" que estavam prontos para "realizar atos de terror", sendo a maioria deles do grupo Hamas. Para Colville, "não é aceitável dizer que se trata do Hamas e portanto está correto".

Leia também: Postura de Donald Trump azeda cúpula do G7, que começa hoje no Canadá

Por sua parte, o Alto Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, declarou que os "responsáveis por violações dos direitos humanos" precisarão "prestar contas". Já o governo palestino pediu ao Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) para "organizar uma reunião urgente para decidir sobre o envio de uma missão internacional para investigar os crimes cometidos pelas forças de ocupação militar contra pessoas desarmadas".

O governo de Rami Hamdallah disse acreditar que Israel e o governo dos Estados Unidos são responsáveis pelo "massacre que ocorreu contra o povo palestino" na Faixa de Gaza .

* Com informações da Agência Ansa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários