Tamanho do texto

Em coletiva de imprensa, nesta terça-feira, o presidente dos Estados Unidos admitiu que as negociações para o encontro com Kim Jong-un podem atrasar

Encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un estava marcado para o dia 12 de junho, em Singapura
iG São Paulo
Encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un estava marcado para o dia 12 de junho, em Singapura

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (22) que a reunião histórica com o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, poderá ser adiada. O encontro estava agendado para o dia 12 de junho, em Singapura .

Durante uma coletiva de imprensa em conjunto com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, que visita a Casa Branca para tentar garantir a realização da reunião, Donald Trump afirmou que estão trabalhando. "Vejamos o que vai acontecer. Se não for agora, talvez aconteça mais tarde", disse o republicano.

Segundo o magnata, o prazo de cerca de 20 dias é curto para acertar os principais detalhes para a reunião ser finalizada, mas "ainda há uma boa chance" de a data original ser mantida. O presidente norte-americano ainda ressaltou que estabeleceu algumas condições para que o encontro aconteça e se não forem aceitas será mais um motivo para cancelar o evento.

Na semana passada, Kim também colocou em dúvida a realização da cúpula com o republicano e suspendeu o diálogo com a Coreia do Sul em decorrência de exercícios militares conjuntos com os Estados Unidos.

De acordo com o líder norte-coreano, os testes são vistos como um treino para as tropas invadirem seu país. Pyongyang estava dando sinais de abertura ao diálogo, como a libertação de prisioneiros norte-americanos e a desativação de uma central de testes nucleares. No entanto, este delicado processo de aproximação pode ser barrado em meio a este novo impasse.

Moon, por sua vez, chegou à Casa Branca em uma tentativa de manter o processo de aproximação entre Kim e Trump, logo depois de participar de uma cúpula intercoreana na qual prometeu assinar um acordo de paz com a Coreia do Norte.

Acordo “garante permanência” de Kim no poder

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse no último dia 13 que o país norte-americano irá garantir a permanência do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, após um possível acordo. Pompeo afirmou ainda que se o ditador norte-coreano concordar em desmantelar completamente seu programa de armas nucleares, o governo Trump permitirá que o setor privado americano invista no país.

Segundo Pompeo, se um acordo for fechado na reunião de cúpula entre Kim e Trump no dia 12 de junho, “americanos do setor privado” poderiam “ajudar a construir a rede energética que a Coreia do Norte precisa”. Pompeo disse ao Fox News Sunday que os americanos também poderiam ajudar com investimentos em infraestrutura e agricultura.

Leia também: "Quem são vocês?", ironiza Irã após promessa dos EUA de sanções mais fortes

Já ao programa Face the Nation, da CBS, Pompeo sugeriu a possibilidade de "alívio de sanções". Para a senadora da Carolina do Sul Lindsey Graham, o investimento privado ou o alívio de sanções para o Norte seria "o melhor dinheiro que já gastamos".

Perguntado se os EUA estavam efetivamente dizendo a Kim que "a mudança de regime será cancelada" se ele atender às exigências americanas, Pompeo disse à Fox: "Nós teremos que fornecer garantias de segurança, com certeza”.

Local de testes nucleares será destruído

No último dia 12, o país norte-coreano anunciou que irá destruir o local de seus testes nucleares. O país está tomando as “medidas técnicas” para realizar a ação entre os dias 23 e 25 de maio. Jornalistas internacionais foram convidados para cobrir o evento.

O anúncio foi feito pelo Ministério das Relações Exteriores, por meio da agência de notícias estatal KCNA. O fechamento do campo de Punggye-ri foi uma das promessas feitas por Kim Jong-un em sua negociação para tentar normalizar as relações com a Coreia do Sul e com os Estados Unidos.

Já último dia 20 de abril, o líder norte coreano Kim Jong-un já havia anunciado que o país interromperia os testes nucleares e balísticos. "O Norte irá fechar sua base de testes nucleares no norte do país para provar sua decisão de suspender os testes nucleares", acrescentou o comunicado da KCNA.

Encontro com Trump

No último dia 10, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, havia confirmado a data e o local em que irá se encontrar com Kim Jong-un. Esse será o primeiro encontro na história entre líderes desses dois países – e ocorre após meses de trocas de farpas entre o magnata e o ditador.

"O antecipado encontro entre eu e Kim Jong-un vai ocorrer em Cingapura, no dia 12 de junho. Nós dois vamos tentar torná-lo um momento muito especial para a paz mundial!", disse o presidente.

Apesar da data escolhida para o encontro mais esperado do ano – no Brasil, ironicamente, a mesma em que se comemora o Dia dos Namorados –, mundialmente, não há expectativas apenas positivas sobre a reunião.

Leia também: EUA e Brasil discutem hoje a "restauração da democracia na Venezuela"

Afinal, embora ambos os líderes tenham tomado atitudes que combinem com um discurso de paz, seus posicionamentos seguem divergentes. Por isso, um encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un pode não ser o suficiente para que os EUA e a Coreia do Norte alcançam estado de consenso para diversos assuntos – como a pauta balística e nuclear, por exemplo.

* Com informações da Ansa

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.