Tamanho do texto

Segundo Hassan Rohani, presidente iraniano, o país de Donald Trump não cumpriu o acordo, enquanto "o Irã tem se mantido fiel à suas obrigações"

Presidente do Irã Hassan Rohani fez um pronunciamento neste domingo (6) sobre retirada dos EUA no acordo nuclear
UN Photo/Loey Felipe/ Fotos Públicas
Presidente do Irã Hassan Rohani fez um pronunciamento neste domingo (6) sobre retirada dos EUA no acordo nuclear

O presidente do Irã, Hassan Rohani, advertiu neste domingo (6) que caso o presidente americano Donald Trump decida deixar o acordo nuclear iraniano, os Estados Unidos se lamentarão “como nunca”.

Leia também: Merkel, Macron e May defendem permanência dos EUA no acordo nuclear com Irã

“Temos planos para cada decisão do Trump. Se os Estados Unidos deixarem o acordo nuclear, vocês logo verão que eles vão se arrepender como nunca antes na história”, afirmou Rohani em um discurso veiculado na rede pública de televisão do Irã.

Além disso, o líder iraniano afirmou que não negociará suas “armas defensivas com ninguém e continuará combatendo o terrorismo em qualquer parte da região”.

"Produziremos e armazenaremos mísseis e armas em qualquer medida que for necessário, a ninguém importa a decisão que o povo do Irã tomar [a respeito deste tema]", declarou Rohani.

O presidente criticou os EUA , e afirmou que o país norte-americano promoveu nos últimos quatro anos "algumas sabotagens" contra o Irã. No entanto, nunca obteve sucesso e, desta vez, "novamente cometerá um erro".

"Trump diz continuamente que o JCPOA é a favor do Irã e em detrimento dos Estados Unidos, e que o Irã os enganou, mas não é assim. Nós não enganamos ninguém", garantiu Rohani.

O governante iraniano indicou que, "apesar de os americanos não terem cumprido com o seu compromisso em todos os períodos, o Irã tem se mantido fiel às suas obrigações".

“Queremos dialogar com o mundo para que a nossa região seja segura, mas não vamos permitir que criem um novo Daesh [sigla em árabe para o grupo Estado Islâmico]”, informou o líder iraniano.

Leia também: Ministro do Irã diz que exigências de Trump sobre novo acordo são "inaceitáveis"

Acordo nuclear

O acordo nuclear , firmado em julho de 2015, em Viena, foi feito entre a capital iraniana Teerã e o Grupo 5+1, que inclui China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e Alemanha. Na época, quem assinou o tratado foi Barack Obama, então presidente americano.

O documento garante que o Irã não procura adquirir a bomba atômica e concorda e diminuir seu programa nuclear, garantindo ao mundo que suas atividades não são militares. Em troca, a República Islâmica teve o levantamento gradual e temporário das sanções internacionais impostas pelo programa.

No entanto, sem nenhuma palavra forte o suficiente para denunciar o acordo, Trump deu até 12 de maio para encontrar um novo texto que pudesse reparar as “lacunas terríveis” do atual. Se isso não acontecer, ele prometeu que deve retirar o país do acordo.

O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, cujo país também faz parte do acordo, anunciou que deve visitar Washington em dois dias para discutir as questões sobre o Irã . Segundo ele, os ocidentais estão “unidos em seus esforços para combater o tipo de comportamento iraniano que torna a região do Oriente Médio menos segura”.

Leia também: Após encontro com Macron, Trump pode propor novo acordo nuclear ao Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.