Tamanho do texto

Grupo terrorista reivindicou a autoria dos ataques suicidas; de acordo com as apurações, segunda explosão foi dirigida especificamente contra imprensa

Dentre as vítimas do ataque do Estado Islâmico, estão pelo menos nove jornalistas, que trabalhavam como repórteres na cidade
Reprodução/Twitter
Dentre as vítimas do ataque do Estado Islâmico, estão pelo menos nove jornalistas, que trabalhavam como repórteres na cidade

Pelo menos 29 pessoas foram mortas e outras 49 ficaram feridas, nesta segunda-feira (30), em dois atentados suicidas ocorridos em Cabul, capital do Afeganistão . Os ataques foram reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Leia também: Atentado do Estado Islâmico deixa 40 mortos em centro cultural afegão

Dentre as vítimas, estão pelo menos nove jornalistas, que trabalhavam como repórteres na cidade. De acordo com as informações divulgadas pelas agências internacionais, os profissionais de imprensa morreram no segundo ataque, que teria sido planejado pelo Estado Islâmico especificamente para vitimar jornalistas. 

Entre os mortos e feridos há um fotógrafo da AFP e oito jornalistas de canais como o TOLOnews , 1TV e Al Jazeera . Pelo que informou uma fonte das forças de segurança, o homem-bomba que atacou a imprensa estava disfarçado como um fotógrafo.

Alvos dos ataques terroristas

Em um comunicado divulgado por sua agência de propaganda Amaq , o grupo terrorista disse que o primeiro atentado tinha como alvo e atingiu a sede do serviço de Inteligência e das forças de segurança afegãs, em Cabul

Leia também: Espanha condena brasileiro a 8 anos de prisão por ligação com o Estado Islâmico

O segundo ataque, por sua vez, teria sido planejado exclusivamente para matar os jornalistas que seguiram para o local.

"Os apóstatas das forças de segurança, dos meios de comunicação e outras pessoas compareceram ao local da operação, onde um irmão os surpreendeu com seu colete de explosivos", afirmou a agência de comunicação dos terroristas.

Perigo de Cabul

Segundo a ONU, Cabul é hoje o local mais perigoso do Afeganistão para os civis. Isso por conta do aumento dos atentados, geralmente cometidos por homens-bomba e reivindicados pelos talibãs ou pelo EI.

Os atentados contra civis provocaram o dobro de vítimas nos primeiros três meses de 2018 — 763 civis mortos, 1.495 feridos — que no mesmo período de 2017.

Leia também: Em quatro meses, Estado Islâmico perde 70% do domínio que tinha na Síria

O último ataque do Estado Islâmico , no dia 22 de abril, deixou quase 60 mortos e 20 feridos em um bairro de maioria xiita. No dia 27 de janeiro, um atentado na cidade provocou 103 mortes e deixou mais de 150 feridos.

* Com informações de agências internacionais.

    Leia tudo sobre: estado islâmico