Tamanho do texto

Restos estavam embalsamados e foram encontrados quase 80 anos depois; entenda porque cientistas defendem que corpos foram usados por nazistas

Durante o nazismo, parteiras entregavam corpos de bebês natimortos para experimentos
Reprodução
Durante o nazismo, parteiras entregavam corpos de bebês natimortos para experimentos

Depois de quase 80 anos, uma universidade alemã realizou um funeral para 74 corpos de crianças que estavam armazenados no porão da instituição desde a época do nazismo.

Leia também: Imagens de mulher mutilada e suásticas levam UFRJ a apurar apologia ao nazismo

De acordo com cientistas, os restos dos corpos, que estavam embalsamados e mantidos na Universidade Martinho Lutero de Halle-Wittenberg, poderiam ter sido usados ​​como parte dos experimentos durante o nazismo .

A mídia alemã informou que os corpos foram cremados e depois colocados em repouso em uma cerimônia realizada pela instituição. Depois, o material foi enterrado em um cemitério local.

Por falta de documentos, não foi possível identificar nenhum dos corpos, mas, segundo a investigação, acredita-se que os cadáveres estariam guardados na universidade desde 1920 e 1942.

Apesar da falta de provas, a hipótese mais provável, segundo os pesquisadores, é que os corpos tenham sido levados ao instituto para fazerem parte de experimentos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial .

Os testes mostraram que as crianças não foram mortas violentamente, mas foram usadas para pesquisa - algumas tiveram seus cérebros removidos e mais da metade foram dissecados.

Há sete anos, quando a professora Heike Kielstein, que agora é diretora do Instituto de Anatomia e Biologia Celular da universidade, entrou na instituição, lhe disseram sobre a presença dos corpos. Desde então, ela decidiu iniciar uma investigação com seus alunos sobre o caso.

O que mais chamou a atenção da professora foi o fato de que os restos mortais não tinham sido usados ​​para nenhuma pesquisa ou fins científicos na universidade.

"O que me incomoda é que essas crianças estão aqui há quase 80 anos e ninguém fez nada. Talvez, se tivessem iniciado uma pesquisa há 20 anos seria possível encontrar parentes. Agora perdemos as testemunhas oculares", disse Kielstein para o site alemão Speigel Online .

Apenas no início deste ano os resultados das investigações foram publicados, na revista Annals of Anatomy.

Leia também: Telefone que pertencia a Adolf Hitler é leiloado por R$ 750 mil

Material encontrado

Cientistas fizeram exames de tomografia computadorizada dos restos mortais, e o resultado sugere que todos eles morreram por causas naturais, pois nenhum mostrou sinais de que foram violentamente mortos.

No entanto, 42 corpos foram dissecados, incluindo dois que tiveram suas cabeças removidas e outros dois que não tinham um tronco - apenas uma cabeça e quatro extremidades. Quase 30 dos corpos tiveram seus cérebros removidos.

A maioria dos corpos pertencia a bebês natimortos e bebês, mas cinco deles eram de crianças entre dois e 12 anos de idade.

Havia 45 meninos, 27 meninas e dois em que o gênero não poderia ser resolvido, segundo as informações divulgadas pelos cientistas envolvidos na investigação.

Vítimas do nazismo

Um dos fatores que fazem os pesquisadores acreditarem que as crianças teriam sido vítimas do nazismo é a localização geográfica do instituto. Halle, que fica a pouco mais de 160 quilômetros do sudoeste de Berlim, foi fundada no século XVI, e fica apenas a 96 quilômetros do campo de concentração de Buchenwald.

Havia também um "centro de eutanásia" com uma câmara de gás em um hospital psiquiátrico nas proximidades de Bernburg, e um estudo anterior descobriu que provavelmente uma criança morta ali foi levada para o instituto em Halle.

“Não há provas de que os corpos de crianças vítimas do regime [nazista] tenham sido levados ao Instituto de Anatomia de Halle. No entanto, tal evento não pode ser descartado devido à falta de documentação adequada e ao fato de que muitas atrocidades e injustiças cometidas durante o nazismo não foram investigadas em detalhes em nível local em Halle”, declarou Kielstein.

Durante 1920 e 1942, os registros mostraram que mais de 2.600 cadáveres de crianças foram doados ao instituto. O resto foi usado e descartado ao longo do tempo.

Na época do nazismo , as parteiras recebiam uma taxa de 5 a 10 marcos alemães - a antiga moeda do país antes de ser substituída pelo euro - para entregar os corpos de bebês que haviam morrido para a universidade.

Leia também: O misterioso desaparecimento do ‘Schindler’ sueco declarado morto após 71 anos