Tamanho do texto

Como ter uma arma na vagina era uma fantasia da vítima, juiz responsável pelo caso reduziu a pena de David Jeffers para oito anos e meio de prisão

Após ser condenado a 10 anos de prisão por acidente com arma, britânico teve sua pena reduzida para oito anos e meio
Reprodução/Metro.co.uk
Após ser condenado a 10 anos de prisão por acidente com arma, britânico teve sua pena reduzida para oito anos e meio

O britânico David Jeffers, 48 anos, foi preso após disparar uma arma, por engano, dentro da vagina de uma mulher. Segundo o portal Metro , tudo aconteceu durante um jogo sexual no Hotel Britannia, na cidade inglesa de Offerton, ainda no ano passado. O caso foi para o tribunal e o homem foi condenado a dez anos de prisão, pena recentemente reduzida por algumas reviravoltas no caso.

Leia também: Aluno é baleado em escola da Flórida no 19º aniversário do Massacre de Columbine

De acordo com mensagens trocadas entre a mulher, que não pode ser identificada por questões legais, e Jeffers, ter uma arma  na vagina era uma das fantasias sexuais da vítima. Ela sofreu graves lesões internas após o acidente, contudo, como o juiz decidiu que a mulher estava ciente dos perigos dos atos, a pena do britânico caiu para oito anos e meio de detenção.

“Na nossa visão, a conduta dele foi extremamente imprudente e, de acordo com seus argumentos, ele aceitou que foi sua intenção colocar a vida em risco”, explicou o juiz. “Mesmo assim, há um número de fatores que nos levam à conclusão de que sua sentença foi excessiva”.

O magistrado ainda disse que, caso a situação envolvesse a posse de um revólver moderno, a primeira pena – de dez anos – poderia fazer sentido. Porém, como a pistola era antiga e apresentava baixas taxas de letalidade, a sentença pode ser reduzida.

Além disso, o tribunal também levou em consideração o contexto do acidente : Jeffers e a mulher estavam em um encontro sexual consensual, e não em uma atividade criminosa.

Morte durante sexo com bomba

Ruben Valera Cornejo foi preso, acusado de matar esposa com bomba-morteiro durante sexo
Reprodução/Facebook
Ruben Valera Cornejo foi preso, acusado de matar esposa com bomba-morteiro durante sexo


Em outro caso que também envolveu artefatos perigosos, uma mulher morreu tragicamente depois de seu marido ter utilizado uma bomba-morteiro como brinquedo sexual  em Arequipa, no Peru. O caso, que ocorreu em novembro do ano passado, foi divulgado pela mídia peruana em paralelo com a prisão de Ruben Valera Cornejo, o marido, por suspeita de homicídio da esposa.

Ele relatou à polícia se recordar apenas de sua esposa, Yubitza Llerena, pedindo-lhe para que introduzisse objetos aleatórios nela durante a relação sexual . Ele afirmou ter adormecido, encontrando a mulher já sem vida na manhã seguinte.

De acordo com o  The Sun , os responsáveis pelas investigações apontaram que o explosivo foi encontrado com manchas de sangue e pelos pubianos dentro de uma bolsa na casa onde moravam juntos. Além disso, alegaram ter achado outros objetos possivelmente utilizados no ato.

Leia também: Em 1º discurso, novo presidente cubano promete 'aperfeiçoamento do socialismo'

Também durante o interrogatório policial, Cornejo negou que tenha utilizado a arma morteiro na esposa durante o sexo. Familiares da vítima acusam o homem de feminicídio e pedem pena de prisão máxima. “Ruben deve ficar na prisão pelo que fez com a minha filha, eu não vou descansar até vê-lo atrás das grades por muito tempo”, disse o pai de Yubitza, Washington Llerena. Segundo os oficiais, hemorragia interna foi apontada como a causa mais provável da morte da mulher.