Tamanho do texto

Adido cultural do Brasil em Roma, servidor de 40 anos de idade foi encontrado morto em sua casa com um cinto de couro em volta do pescoço e o corpo nu; esposa diz que diplomata se relacionava com outro homem

Diplomata brasileiro Alexandre Siqueira Gonçalves foi chefe do setor cultural da Embaixada do Brasil em Roma
Divulgação/Embaixada do Brasil em Roma - 10.3.17
Diplomata brasileiro Alexandre Siqueira Gonçalves foi chefe do setor cultural da Embaixada do Brasil em Roma

Um diplomata brasileiro de 40 anos de idade foi encontrado morto nesta semana em seu apartamento em Roma, a capital da Itália. De acordo com o jornal local Il Messaggero , o corpo do servidor da embaixada brasileira na cidade foi localizado pela sua esposa e estava completamente nu e com um cinto de couro em volta do pescoço.

Leia também: Mulher morre após fazer sexo oral em médico que colocou cocaína no próprio pênis

A polícia italiana pediu a autópsia do corpo e ainda não concluiu as investigações, mas trabalha com a suspeita de que o diplomata brasileiro tenha morrido após uma sessão de jogos eróticos que envolveu a asfixia sexual (prática que ficou famosa ao causar a morte do cantor Michael Hutchence, então vocalista da banda australiana INXS, em 1997).

A vítima era Alexandre Siqueira Gonçalves, que ocupava o cargo de segundo secretário na Embaixada do Brasil em Roma e era responsável pelo setor cultural do órgão. A esposa de Alexandre disse à polícia que não havia passado o fim de semana em casa e que o marido tinha um relacionamento extraconjugal com outro homem, conforme reportou o jornal  La Repubblica .

Outro fator que foi cogitado pelas autoridades italianas é o de que Alexandre tenha consumido drogas, mas a confirmação ou não disso só surgirá ao fim dos trabalhos de autópsia, previstos para serem concluídos em até 60 dias.

Doutor em Engenharia Química com formação nos Estados Unidos, Alexandre ingressou nos quadros do Itamaraty em 2008, aos 29 anos de idade. Ele fez estágio no cerimonial e passou a exercer sua nova função em 2012, tendo promovido atividades culturais relacionadas à cultura brasileira na embaixada do país em Roma. O Ministério das Relações Exteriores não se manifestou a respeito da morte do diplomata brasileiro .

Leia também: Após incesto, homem mata a própria filha e bebê fruto da relação dos dois

Embaixada do Brasil em Roma, capital da Itália
Divulgação/Embaixada do Brasil em Roma
Embaixada do Brasil em Roma, capital da Itália

*Com informações da Ansa