Tamanho do texto

Pelo menos duas pessoas ficaram feridas após a explosão em Austin; polícia suspeita de crimes de ódio racial e investiga se há relação entre os episódios

Duas pessoas ficaram feridas no domingo (18) à noite em Austin, no Texas, após a explosão de uma pacote-bomba
Reprodução/Twitter
Duas pessoas ficaram feridas no domingo (18) à noite em Austin, no Texas, após a explosão de uma pacote-bomba

Um pacote-bomba explodiu na noite deste domingo (18), em Austin, no Texas, deixando pelo menos duas pessoas feridas. O caso aconteceu horas após as autoridades do estado terem feito, justamente, um apelo contra ataques do tipo. 

Leia também: Vladimir Putin é reeleito presidente da Rússia com maior apoio de sua carreira

Esse já é o quarto pacote-bomba que é registrado nessa cidade apenas neste mês. No dia 2 de março, um homem de 39 anos morreu após a explosão de uma bomba do tipo e, mais tarde, no dia 12, um jovem de 17 também perdeu a vida com um ataque semelhante. Ainda no dia 12 de março, uma senhora de 72 anos, de origem hispânica, também ficou gravemente ferida.

Desde o dia do segundo ataque, a polícia investiga a hipótese de que tais bombas estejam ligadas a crimes de ódio racial. "Temos duas vítimas afro-americanas, e a deste último incidente foi uma mulher hispânica de 75 anos. Portanto, ainda estamos trabalhando para determinar se isso pode ou não ter algum papel, mas não vamos descartar isso", disse o chefe de polícia, na época. 

Os ataques acontecem enquanto a Austin recebe milhares de visitantes para o festival South by Southwest (SXSW), um evento sobre meios interativos, cinema e música realizado anualmente desde 1987.

Leia também: Ponte que caiu em Miami havia sido erguida em seis horas; seis pessoas morreram

Nesse ataque do último domingo, o serviço de emergência médica do condado revelou, pelo Twitter, que levou ao hospital dois homens gravemente feridos, ambos na faixa dos 20 anos de idade. A identidade e a ascendência das vítimas não foram reveladas.

Investigações

De acordo com as investigações da polícia, em cada um dos episódio de bombas, os pacotes foram depositados pessoalmente nas casas ou nas caixas de correio em que estouraram – e não enviados pelo serviço do governo. 

Além disso, os artefatos explosivos foram fabricados com componentes vendidos livremente nas lojas. Por conta disso, centenas de policiais trabalham neste caso, incluindo especialistas da FBI (a Polícia Federal americana) e do Escritório do Álcool, Tabaco e Armas de Fogo.

Leia também: Após morte de Marielle, deputados da UE pedem suspensão de acordo com o Mercosul

Para se proteger de qualquer ameaça em formato de pacote-bomba, a polícia local sugere cuidado:  "permaneçam em casa até que possamos determinar se este bairro está livre de perigo", declarou o chefe de Polícia de Austin, Brian Manley, no domingo à noite.