Tamanho do texto

O adolescente, de 18 anos, usou todo o dinheiro para comprar roupas de grife e um carro; o caso aconteceu na cidade de Leicester, no Reino Unido

A professora resolveu levar o caso às autoridades quando recebeu o pedido do valor de 12 mil libras (foto ilustrativa)
shutterstock
A professora resolveu levar o caso às autoridades quando recebeu o pedido do valor de 12 mil libras (foto ilustrativa)


Um adolescente de Leicester, na Inglaterra, foi condenado a oito meses de prisão por chantagear sua ex-professora. De acordo com o jornal Leicester Mercury , o jovem cobrou 10 mil libras da mulher para “não expor o relacionamento entre os dois”.

Leia também: Mulher choca passageiros ao secar calcinha na ventilação de um avião; assista

Tudo começou em julho de 2016, quando o adolescente, agora com 18 anos, criou um e-mail e conta no Facebook falsos para se passar por um estranho. Em contato com a professora , ele alegou ter evidências dos encontros entre os dois – uma foto dos dois em uma “posição íntima" –, e para não divulgar tais informações, precisaria receber oito mil libras.

As mensagens começaram com a frase “olá, você não me conhece, mas eu te conheço muito bem”, e depois de um breve diálogo, a mulher se recusou a dar o dinheiro. “Nesse caso, assista a sua vida virar de cabeça para baixo nos próximos meses”, respondeu o adolescente.

Algum tempo depois, a britânica concordou em entregar a quantia: retirou quatro mil libras (aproximadamente R$ 16 mil) de suas economias, fez um empréstimo no mesmo valor e, assim, deixou as notas em arbustos próximos de uma escola. Depois disso, bloqueou a tal conta do Facebook, esperando nunca mais escutar ameaças do gênero.

Cinco meses depois, em dezembro de 2016, ela recebeu um novo e-mail. Assinada pelo mesmo “estranho”, a mensagem dizia que, como a mulher e o aluno continuaram o suposto relacionamento, o remetente “não tinha escolha a não ser contar tudo às autoridades”.

A britânica explicou que não havia nada de errado com o relacionamento entre os dois e que ela era apenas amiga do garoto porque “viu o potencial dele”. O responsável pelas ameaças não mudou de opinião e cobrou mais duas mil libras (cerca de R$ 8 mil), que a mulher conseguiu com cartões de crédito, empréstimos e cheque especial.

A situação mudou quando, em fevereiro de 2017, ela recebeu um e-mail exigindo 12 mil libras (quase R$ 50 mil). Sem condições para arcar com o favor, a britânica levou o caso para a polícia.

Leia também: Pela primeira vez, Trump fala em mudar regras sobre porte de armas nos EUA

Descoberta das autoridades

Os policiais rastrearam o e-mail e descobriram que o responsável pelas ameaças não era um desconhecido, mas o próprio aluno que estaria tendo um caso com a docente . Ele foi interrogado e disse que a mulher era sua amiga e que o relacionamento entre os dois, platônico. O jovem, que comprou um carro e roupas de grife com o dinheiro recebido, negou tê-la chantageado.

Na primeira audiência sobre o caso, porém, seu discurso mudou. O garoto admitiu as ameaças e relatou encontros sexuais entre ele e a professora, que teriam acontecido quando o adolescente tinha 15 anos. Pree Brada, advogada do acusado, disse que ele não admitiu tais questões em um primeiro momento porque estava com vergonha, já que sua mãe não sabia de nada.

Brada alegou que a docente comprava presentes ao seu cliente e mantinham relações sexuais, caso que também está sendo investigado pela polícia.

Leia também: Indiana corta e 'descarta' pênis do marido por desconfiar que está sendo traída

O juiz Timoty Spencer sentenciou o garoto a oito meses de prisão, além de definir uma medida restritiva para evitar, durante cinco anos, que o garoto entre em contato com a professora. "Qualquer que seja a natureza do relacionamento , não é uma desculpa para a chantagem", o magistrado declarou.