Curiosamente, a própria eleição do ex-presidente Bush também esteve envolta em polêmicas
Getty Images
Curiosamente, a própria eleição do ex-presidente Bush também esteve envolta em polêmicas

O ex-presidente George W. Bush , que esteve à frente da Casa Branca entre 2001 e 2009, disse nesta quinta-feira (8) que há “claras evidências de que os russos interferiram” nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016.

Leia também: Trump ameaça cortar verbas de países que não evitam a entrada de drogas nos EUA

Bush, assim, contradiz o presidente Donald Trump , seu colega republicano, que reiteradas vezes negou que autoridades russas tenham de alguma forma tentado influir no pleito.

Sem citar Donald Trump, o ex-presidente pondera, contudo, que não é possível afirmar se a Rússia influenciou nos resultados das eleições. Em 2016, por diferença mínima, a democrata Hillary Clinton foi derrotada pelo magnata estadunidense.

Famoso por dirigir a nação americana em um de seus períodos mais tensos da história – os atentados de 11 de setembro -, o republicano acrescentou que “é problemático que um país estrangeiro esteja envolvido em nosso processo eleitoral. Nossa democracia só é boa quando as pessoas podem confiar em seus resultados”.

Leia também: EUA revela polêmica 'lista Putin' com 210 pessoas próximas ao líder russo

Curiosamente, contudo, a própria eleição do ex-presidente esteve envolta em polêmicas. Em 2000, quando ele disputou a cadeira presidencial contra Al Gore, houveram diversos pedidos de recontagem de votos.

Você viu?

O democrata acabou obtendo mais votos que Bush, mas este venceu por ter conquistado maior número de delegados eleitorais – nos EUA, as eleições são decididas por distritos eleitorais, não pelo número absoluto de eleitores.

Os russos e as eleições nos EUA

O filho mais velho do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., é acusado de ter participado da interferência russa nas eleições do país em 2016. Ele teria se encontrado, a mando do pai, com uma advogada russa a fim de trocar informações sobre a candidata democrata Hillary Clinton .

A reunião teria acontecido no dia 9 de junho de 2016 em um edifício que pertence ao líder estadunidense, apenas duas semanas depois de Donald Trump ter conquistado a indicação como candidato republicano.

Durante o encontro, que durou cerca de 30 minutos, a advogada Natalia Veselnitskaya teria revelado dados secretos sobre a participação de russos no financiamento da campanha democrata. Tais informações teriam sido repassadas ao jornal norte-americano por três conselheiros da Casa Branca.

Em nota, Donald Trump Jr. confirmou que se encontrou com uma pessoa que “pode ter dado informações úteis” para a campanha em junho de 2016.

Segundo o filho mais velho do presidente, o encontro foi combinado por intermédio de uma pessoa que conheceu durante o concurso Miss Universo 2013, que aconteceu no subúrbio de Moscou.

Leia também: Trump diz ter tremendo respeito pelas mulheres, mas ser feminista "seria demais"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários