Tamanho do texto

Presidente chiou contra os democratas, que permitiram 'apagão' no governo devido à recusa da Casa Branca em reconsiderar decisão sobre 800 mil jovens imigrantes que perderão em março a permissão para ficar nos EUA

Colecionando polêmicas, presidente Donald Trump completou um ano na Casa Branca neste sábado (20)
White House - 26.12.17
Colecionando polêmicas, presidente Donald Trump completou um ano na Casa Branca neste sábado (20)

Completando seu primeiro ano na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reclamou neste sábado (20) da postura dos parlamentares da oposição na votação que  rejeitou o orçamento proposto pelo governo e acabou paralisando serviços públicos no país.

Por meio de sua conta no Twitter, seu canal favorito de comunicação, Trump disse que os democratas se preocupam mais com os "imigrantes ilegais" do que com a segurança do país. "Os democratas estão mais preocupados com imigrantes ilegais do que com nossa importante segurança militar na perigosa fronteira no Sul. Eles poderiam facilmente ter feito um acordo, mas decidiram permitir o 'apagão'", escreveu o presidente.

A declaração se deve ao fato de os congressistas democratas terem se negado a votar a favor do governo sem que a Casa Branca aceitasse apresentar uma solução aos jovens intitulados dreamers (sonhadores), que chegaram aos EUA ilegalmente quando eram crianças e foram autorizados a permanecer no país por obra do ex-presidente Obama. O programa foi extinto sob a gestão Trump e a benesse já concedida a cerca de 800 mil dreamers expira no dia 5 de março deste ano. A partir dessa data, esse contingente de jovens poderá ser deportado.

A Casa Branca se recusa a negociar uma extensão do programa que beneficiou os dreamers durante o governo de Barack Obama. Líderes dos partidos Democrata e Republicano no Congresso concordaram em reabrir neste sábado as negociações para tentar reverter o "apagão" do governo, que precisou paralisar serviços considerados "não essenciais" e liberou cerca de 800 mil funcionários por falta de recursos.

Leia também: Veja como foi o teste cognitivo em que Donald Trump foi aprovado

"Apagão" (ou shutdown )

A última paralisação do governo americano ocorreu no fim de 2013, durante o governo Obama, e durou mais de duas semanas. Na ocasião, 850 mil funcionários pararam de trabalhar porque não havia dinheiro para pagar seus salários.

Em caso de shutdown , o governo federal mantém em funcionamento os serviços essenciais, como segurança, saúde, justiça, aposentadorias e o controle do tráfego aéreo, mas muitos servidores deixam de ser retribuídos.

Outras atividades não prioritárias, como o funcionamento de parques nacionais, devem ser interrompidas. O Pentágono já antecipou que os militares da ativa permanecerão em seus postos, evitando efeitos sobre as operações contra o Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, por exemplo.

No entanto, o secretário de Defesa, James Mattis, alertou que a paralisação pode causar consequências nas atividades de treinamento, manutenção e inteligência.

O presidente americano aproveitou suas mensagens criticando os democratas para fazer um apelo ao eleitorado que irá às urnas neste ano para escolher seus representantes no Poder Legislativo nos EUA. Será um importante teste para Donald Trump, que poderá ver sua governabilidade ainda mais comprometida em caso de avanço da alternativa democrata. "Nós precisamos de mais republicanos em 2018 para ter mais poder contra essa bagunça", bradou o presidente.

*Com informações da Ansa

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.