Tamanho do texto

Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, divulgou a informação neste sábado pelo Twitter; Jonatan Diniz estava detido há uma semana

Prisão do brasileiro Jonatan Moisés Diniz, ocorrida na semana passada, foi anunciada por um deputado da Venezuela
Reprodução/ Facebook/ Jonatan Diniz
Prisão do brasileiro Jonatan Moisés Diniz, ocorrida na semana passada, foi anunciada por um deputado da Venezuela

O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Aloysio Nunes, informou, neste sábado (6), por meio da sua conta no Twitter, que o brasileiro Jonatan Moisés Diniz, de 31 anos, preso há mais de uma semana no estado de Vargas, foi expulso da Venezuela. O ministro não deu mais informações sobre o caso.

Na sexta-feira (5), o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela havia confirmado ao Itamaraty que o brasileiro “encontra-se em bom estado de saúde, detido em instalação de órgão de segurança local” .

Acusações

Catarinense, Jonatan Diniz foi detido no dia 28 de dezembro pelas forças de segurança venezuelanas, no estado de Vargas. Segundo a agência oficial de notícias do governo, ele é acusado de manter atividades desestabilizadoras contra o regime de Nicolás Maduro.

O anúncio da prisão foi feito pelo parlamentar socialista Diosdado Cabello no programa que dirige no canal estatal VTV. Além de  Jonatan , foram presos outros três venezuelanos. Eles fariam parte da Organização Não Governamental Time to Change the Earth (“tempo de mudar a Terra”, na tradução em português).

Leia também: Buscas pelo voo MH370 da Malaysia Airlines serão retomadas por empresa dos EUA

Para o governo, a entidade seria uma “organização criminosa com tentáculos internacionais”, que distribuiria alimentos e bens a moradores de rua com o objetivo de obter recursos em moeda nacional com vistas a promover ações contra o governo.

Doações e críticas

Em seu perfil no Facebook, Jonatan Diniz publicou diversos pedidos de doações para a organização, que seriam revertidas para ações de caridade a crianças de baixa renda. O catarinense morava nos Estados Unidos, mas viajava à ao país venezuelano para essas iniciativas. Antes, residiu alguns meses em Quito, no Equador, e autuou com a produção de vídeos para um canal no YouTube.

Leia também: Autoridades norte e sul-coreanas farão encontro histórico na próxima terça-feira

Em uma publicação de 19 de junho, Diniz critica o governo Maduro . “A Venezuela chega a seu dia número 80 de luta nas ruas contra a ditadura. O governo, ao invés de comprar medicamentos para seu povo morrendo nos hospitais e de fome pelas ruas, acaba de gastar mais dinheiro em tanques de guerra para usar contra seu próprio povo que luta por sua liberdade”, comentou.