Tamanho do texto

Após quase dois anos de relações congeladas entre as duas nações, reunião virá debater a participação de Pyongyang nos Jogos Olímpicos de Seul

Reunião acontece em meio a um período em que a Coreia do Norte parece ter um novo inimigo: os Estados Unidos
KCNA/Divulgação
Reunião acontece em meio a um período em que a Coreia do Norte parece ter um novo inimigo: os Estados Unidos

As autoridades da Coreia do Norte informaram, nesta sexta-feira (5), que aceitaram o convite de Seul para realizar uma reunião de alto nível na próxima terça-feira (9). O encontro histórico – que acontece após quase dois anos de relações congeladas entre ambas as Coreias – terá o ojetivo de debater a participação de Pyongyang nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul , que ocorrem entre 9 e 25 de fevereiro.

Leia também: Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un diz ter 'botão nuclear' na sua mesa

A reunião surge ainda após a diminuição das ameaças de Kim Jong-un, líder norte-coreano, contra os vizinhos. Afinal, a Coreia do Norte parece ter um novo alvo agora: os Estados Unidos, comandados pelo polêmico presidente Donald Trump.

Na mensagem de fim de ano, o ditador norte-coreano continuou a provocar Trump. Disse que possui um botão nuclear em sua mesa e que poderia apertá-lo a qualquer momento para atingir os Estados Unidos com uma bomba nuclear. 

Leia também: Após dois anos, Coreia do Norte liga para Seul e retoma comunicação com a do Sul

Em resposta, o magnata republicano afirmou que possui um botão nuclear 'muito maior' e 'mais poderoso' que o de Kim Jong-un em sua mesa. A resposta, apesar de parecer infantil, levantou suspeitas e gerou preocupações a respeito do poder nuclear que os Estados Unidos possui. 

Mas voltando à questão sobre as Coreias...

Em meio a tais trocas de farpas, o líder Kim Jong-un desejou, ainda em sua mensagem de fim de ano, "um sucesso verdadeiro" para as Olimpíadas sul-coreanas – ressaltando que pensava em mandar uma delegação para o outro lado da fronteira.

No dia seguinte, Seul convidou formalmente os norte-coreanos para uma reunião na "cidade da trégua", Panmunjon, que fica próxima à fronteira das duas nações na chamada área de desmilitarização.

Leia também: Em resposta a Kim Jong-un, Trump diz que 'seu botão nuclear é maior'

Como resposta, a Coreia do Norte reativou, nesta semana, um canal de comunicação por telefone com os sul-coreanos e, após cinco conversas, de acordo com a mídia local, houve um acordo para marcar a reunião.

* Com informações da Agência Ansa.

    Leia tudo sobre: donald trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.