Tamanho do texto

Encomenda foi endereçada à casa de Steven Mnuchin; polícia cogitou a hipótese de o pacote ser uma bomba e interditou a área por algumas horas

Na véspera do Natal, o secretário do Tesouro dos EUA recebeu um
Wikimedia Commons
Na véspera do Natal, o secretário do Tesouro dos EUA recebeu um "presente" nada especial

Não é de hoje que os representantes do governo de Donald Trump, incluindo o próprio presidente, são alvos de críticas por parte da população. Vaias, ofensas e até protestos são algumas das formas que os cidadãos americanos encontraram para se manifestar contra a Casa Branca. Até então, nada muito diferente do comportamento brasileiro, não é mesmo?

Leia também: EUA detêm terrorista que planejava atentado em nome do Estado Islâmico no Natal

Seria, se não fosse por um episódio envolvendo o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin na véspera do Natal. Endereçado ao representante do governo, em Los Angeles, um pacote de presente foi entregue em sua casa. No entanto, o conteúdo não era lá dos mais agradáveis: de acordo com o Departamento de Polícia de Los Angeles, a caixa continha estrume de cavalo. Imagina se essa moda pega no Brasil?

O “presente” provocou alvoroço na vizinhança e chegou a causar interdições nas casas da região por cerca de duas horas, pois a polícia chegou a cogitar que o caso poderia se tratar de uma ameaça de bomba e um esquadrão anti-bomba do Departamento de Polícia de Los Angeles passou o pacote em um raio-x antes de abri-lo. Segundo a TV KNBC, o conteúdo foi descartado. O FBI foi convocado para investigar o caso.

A encomenda foi encontra na noite anterior, sábado (23), na entrada da residência de um vizinho de Mnuchin, no bairro de Bel Air. De acordo com as informações, havia um cartão de Natal com comentários negativos, referindo-se ao presidente dos EUA e reforma tributária, recentemente sancionada.

O secretário, que também é financiador de filmes de Hollywood e ex-executivo do banco Goldman Sachs, foi um dos defensores do texto da reforma trabalhista. Em uma carta divulgada por ele, assinada por nove economistas, dizia que a primeira reforma tributária em 30 anos aumentará o crescimento em 0,3% ao ano na próxima década.

Reforma tributária

A reforma tributária defendida por Trump foi aprovada pelo Senado americano na madrugada do dia 2 de dezembro . A proposta coloca o presidente e os republicanos ainda mais próximos do plano de reduzir impostos para as empresas e a classe mais alta da sociedade, proporcionando à população diversas mudanças tributárias.

A votação foi apertada. Com 51 votos a favor contra 49 escolhas que se opunham à reforma tributária de Trump , a disputa foi dividida entre os senadores republicanos e democratas. O senador Bob Corker foi o único republicano que se opôs à proposta e votou contra seus companheiros de partido.

O debate foi iniciado às 1h36 locais (4h36 no horário de Brasília) e durou cerca de dez horas. Para os líderes democratas, a medida, apesar significar o maior corte de impostos dos últimos 30 anos, vai aumentar o déficit fiscal dos Estados Unido s em US$ 1,5 trilhão em uma década.

Essa foi a primeira vez que Trump se viu “vitorioso” no Legislativo americano, depois de ter sido muito criticado ao tentar modificar a lei de saúde, conhecida popularmente como “Obamacare”.

A partir de agora, os líderes republicanos do Senado irão conciliar o texto aprovado com seus colegas da Câmara dos Representantes, que já haviam aprovado uma versão própria do projeto com alguns pontos distintos, antes que o presidente sancione a reforma.

Leia também: Em clima natalino, Trump pede paz como presente para o Papai Noel

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.