Tamanho do texto

Assim como o embaixador brasileiro, encarregado de negócios canadense foi declarado "persona non grata" por aliados do presidente da Venezuela

Marcos Oliveira/Agência Senado
"Ação é típica do regime Maduro, que tem minado esforços pela restauração da democracia", disse ministra do Canadá

O Ministério das Relações Exteriores do Canadá reagiu nesta segunda-feira (25) de Natal ao  anúncio da Assembleia Constituinte da Venezuela de que o encarregado de negócios canadense não é mais bem-vindo no país.

A chefe do ministério canadense, Chrystia Freeland, afirmou por meio de nota que o movimento da Assembleia Constituinte é "típico do regime de Nicolás Maduro" (presidente venezuelano), e respondeu ao gesto declarando o encarregado de negócios do país latinoamericano "persona non grata" no Canadá . Freeland também vetou o retorno do embaixador da Venezuela, que já não estava no território canadense por decisão do próprio presidente chavista.

"Essa ação é típica do regime Maduro, que tem constantemente minado todos os esforços pela restauração da democracia e ajuda ao povo venezuelano. Os canadensenses não irão ficar quietos enquanto o governo da Venezuela rouba de seu povo a democracia e direitos humanos fundamentais, e veta o acesso à assistência humanitária básica", afirmou Freeland.

"Vamos continuar trabalhando com nossos parceiros na região para pressionar o regime antidemocrático de Maduro e restaurar os direitos para o povo venezuelano", completou a ministra canadense de Relações Exteriores.

A expulsão do encarregado de negócios canadense de Caracas foi anunciada no sábado (23) pela presidente da Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, sob a justificativa de que essa seria uma "resposta à sua permanente, insistente e grosseira intromissão nos assuntos internos da Venezuela".

Embaixador brasileiro

Dominada por aliados do regime chavista, a Assembleia Constituinte venezuelana também declarou "persona non grata" o embaixador brasileiro no país, Ruy Carlos Pereira.

Nesse domingo, o  Itamaraty informou que não há previsão para o envio de um novo embaixador a Caracas. Conforme noticiado pelo jornal  O Estado de São Paulo , o posto de Ruy Pereira deve ser provisoriamente ocupado pelo integrante do corpo diplomático brasileiro na Venezuela encarregado de negócios. Trata-se do segundo representante do Brasil há mais tempo em solo venezuelano, atrás somente do próprio Ruy Pereira, que ocupava o cargo desde 2013.

O Ministério das Relações Exteriores também divulgou nota afirmando que o Brasil "aplicará as medidas de reciprocidade correspondentes". É esperado que, assim como fez o Canadá, o embaixador venezuelano no Brasil, Alberto Efraín Castellar Padilla, também seja declarado "persona non grata".

Leia também: Presidente do Peru dá perdão a ex-ditador e motiva protestos na noite de Natal