undefined
Reprodução/Twitter
Ministro da Defesa, Michael Fallon, renunciou em discurso ao vivo na televisão

O secretário de Defesa do Reino Unido , Michael Fallon, renunciou ao cargo nesta quarta-feira (1º), admitindo ter tido comportamentos inadequados no passado. A saída de Fallon acontece em meio a um escândalo de acusações de assédio e abuso sexual no Parlamento britânico.

Fallon é acusado de, em 2002, durante um jantar, passar a mão insistentemente no joelho da jornalista Julia Hartley-Brewer. Ele desmentiu outro episódios de assédio sexual que começaram a circular no meio político, mas reconheceu que “eu caí muito abaixo dos altos padrões exigidos das Forças Armadas, as quais eu tenho a honra de representar", declarou.

Hartley-Brewer confirmou o ocorrido, mas ela própria minimizou o incidente: "Eu não fui uma vítima e não quero participar do que acredito que agora se tornou uma caçada às bruxas de Westminster".

O nome de Fallon foi incluído em um dossiê feito por funcionários do Parlamento que lista cerca de 40 deputados homens do Partido Conservador ( Tory , em inglês) que teriam cometido atos inadequados, tanto contra mulheres quanto contra homens. Entre os nomes, estão secretários e outros membros do alto escalão do governo de Theresa May.

undefined
Public Domain Pictures
Londres parlamento britânico

"Muitas alegações sobre parlamentares circularam nos últimos dias, incluindo algumas sobre minhas condutas anteriores. Muitas delas são falsas, mas eu concordo que no passado eu caí muito abaixo dos altos padrões exigidos das Forças Armadas, as quais eu tenho a honra de representar", declarou Fallon.

Outro político envolvido no escândalo é o primeiro-secretário de Estado Damian Green, "número 2" da primeira-ministra Theresa May e acusado de assédio sexual por uma militante do Partido Conservador.

Segundo a denúncia de Kate Maltby, Green colocou a mão em suas pernas "insistentemente" em um pub em 2015 e, no ano seguinte, enviou a ela mensagens "sugestivas". Green diz que a acusação é "completamente falsa".

Partido Trabalhista

O problema também não é somente do Partido Conservador.  Bex Bailey, membro da executiva nacional do Partido Trabalhista ( Labour , em inglês), afirmou à BBC, nesta terça-feira (30), que foi estuprada há seis anos por um membro do partido, que na época ocupava posição superior à dela.

Bailey afirma que só teve a coragem de denunciar o caso alguns anos depois, mas que foi informada que era melhor não tornar o caso público, porque “poderia prejudicar” sua imagem. “Eu não acho que nem sequer me deram uma xícara de chá na ocasião, foi uma experiência horrível e é por isso que lutei tanto por mudanças na maneira como lidamos com isso”.

Nos últimos dias, uma série de denúncias de assédio sexual foi divulgada e expôs o comportamento inadequado de vários deputados no Reino Unido.

*com informações da Ansa e The Guardian

    Veja Também

      Mostrar mais