Tamanho do texto

Governo espanhol mandou bloquear os serviços de voto à distância para tentar evitar referendo de independência marcado para este domingo

O governo espanhol tomou mais uma atitude contra o referendo de independência da Catalunha marcado para este domingo (1º) . A Guarda Civil entrou neste sábado (30) no centro de telecomunicações do governo regional da região para bloquear os serviços de voto à distância.

Milhares de pessoas se manifestam na Espanha em relação ao referendo da Catalunha, alguns contra e outros a favor
Twitter/Lídia Senra/Reprodução
Milhares de pessoas se manifestam na Espanha em relação ao referendo da Catalunha, alguns contra e outros a favor

De acordo com informações da Agência EFE, a magistrada Mercedes Armas ordenou na sexta-feira (29) que os responsáveis pelo Centro de Telecomunicações e Tecnologia da Informação catalão suspendam o acesso a 29 softwares que administram bases de dados que as autoridades da Catalunha pretendem usar na consulta popular .

O CTTI é uma empresa pública do governo da Catalunha que integra todos os serviços informáticos e de telecomunicações da administração regional. O porta-voz do governo espanhol, Íñigo Méndez de Vigo, considerou que o bloqueio das instalações do CTTI significa que "foi desferido um golpe na organização do referendo ilegal" que os independentistas pretendem realizar e que foi suspenso pelo Tribunal Constitucional do país.

Leia também: Dado como morto, líder do EI reaparece e grupo deixa dezenas de mortos na Síria

Em declarações à imprensa, Méndez de Vigo ressaltou que o referendo "já foi cancelado pelo Estado de Direito". A respeito da intervenção no CTTI, explicou que, desta forma, se evitou a utilização do voto à distância e a apuração de cédulas. O governo catalão, que confirmou a intervenção da Guarda Civil, advertiu que o bloqueio do sistema informático para o voto telemático afetará de forma direta outros serviços.

Outra medida determinada pela Justiça espanhola para impedir a consulta separatista é o fechamento dos 2.315 centros de votação designados pelos responsáveis pelo referendo. A polícia catalã já está presente em pelo menos 1,3 mil centros, dos quais 163 estão ocupados desde a noite de sexta-feira por pessoas que tentam evitar que as instalações sejam fechadas.

Leia também: Em meio a tensão com a Coreia do Norte, Donald Trump fará tour pela Ásia

Enquanto isso, milhares de pessoas se manifestaram neste sábado no centro de Madri e em outras cidades espanholas como Santander, Logroño e Palma em relação o referendo independentista da Catalunha e a favor da unidade da Espanha. Enquanto alguns grupos são contra a votação, outros se manifestam em apoio aos catalães.

*Com informações da Agência Brasil