Tamanho do texto

Nação era única no mundo que não permitia que pessoas do sexo feminino conduzissem; atitude veio em resposta à pressão social e internacional

Mulheres poderão conduzir veículos na Arábia Saudita a partir de junho de 2018
shutterstock
Mulheres poderão conduzir veículos na Arábia Saudita a partir de junho de 2018

O rei da Arábia Saudita, Salman Bin Abdulaziz AL, aprovou um decreto que autoriza todas as mulheres do país a conduzirem automóveis, conforme informou a emissora "Al Arabiya" nesta terça-feira (26).

Leia também: Seis conselheiros de Trump usaram e-mails privados para assuntos de governo

De acordo com o jornal norte-americano "New York Times", a decisão foi anunciada em um evento em Washington, nos Estados Unidos, e entrará em vigor na Arábia Saudita em junho do próximo ano.

Nos últimos dias, diversas mulheres lançaram uma campanha na internet, onde publicaram imagens dirigindo o próprio veículo. A medida foi aprovada uma semana depois de um vídeo, que mostra o clérigo saudita Sheikh Saad Al-Hijri declarando que as mulheres "não merecem dirigir porque só têm um quarto de cérebro", viralizar nas redes sociais.

A hashtag árabe com a frase dita pelo clérigo foi usada 119 mil vezes em 24 horas. A polêmica foi feita durante uma palestra sobre "os males das mulheres dirigindo”. As declarações provocaram reações enfurecidas de mulheres, principalmente de países árabes onde a lei já permite que elas possam conduzir veículos.

Leia também: "Trump declarou guerra à Coreia do Norte e vamos responder", diz ministro

Conservadorismo machista

Até o momento, o país era o único no mundo onde as mulheres eram proibidas de dirigir carros. No passado a medida provocou diversos protestos. Considerada uma das nações mais conservadoras, sobretudo em relação às pessoas do sexo feminino, por lá, elas são submetidas à tutela dos membros masculinos da família - pai, marido ou irmão - para poderem estudar ou viajar.

Além disso, as mulheres também são proibidas de frequentarem estádios por causa da aplicação da regra de separação entre os sexos nos espaços públicos. No entanto, na última semana, o país autorizou, pela primeira vez, que elas fossem a um estádio para um espetáculo musical. A concessão foi pontual.

Depois das diversas críticas internacionais, o reino parece estar tentando suavizar algumas restrições. Em julho deste ano, ativistas dos direitos humanos comemoraram a decisão do Ministério da Educação de permitir que as garotas pratiquem esportes nas escolas públicas.

*Com informações da Ansa

Leia também: Líder da extrema-direita da Alemanha diz que vai devolver país aos alemães

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.