Tamanho do texto

Além dos mortos, uma pessoa ficou ferida e outras cinco estão desaparecidas até o momento; acidente aconteceu por conta de uma explosão de metano

Equipe que trabalha no resgate das vítimas tem sete engenheiros de salvamento e 35 socorristas
Agência Brasil
Equipe que trabalha no resgate das vítimas tem sete engenheiros de salvamento e 35 socorristas

Uma explosão em uma mina de carvão na cidade de Cucunubá, na Colômbia, deixou ao menos oito mortos na última sexta-feira (23). Além disso, uma pessoa ficou ferida e outras cinco estão desaparecidas. As informações são Agência Nacional de Mineração (ANM).

Leia também: Deslizamento atinge vilarejo e soterra mais de 120 pessoas na China

As primeiras informações divulgadas falavam em 18 pessoas afetadas pela explosão, mas a AMN destacou em publicação no Twitter que "o relatório oficial é de 14 pessoas afetadas". De acordo com a agência de mineração, a tragédia aconteceu devido a “uma explosão de metano” em uma mina explorada de maneira ilegal na vereda de Pueblo Viejo, que faz parte de Cucunubá, município situado 90 quilômetros ao norte de Bogotá.

A agência informou ainda que sete engenheiros de salvamento e mais de 35 socorristas trabalham na zona da explosão para tentar resgatar as cinco pessoas que ainda estão desaparecidas. “Lamentamos profundamente as mortes provocadas por esta explosão. A nossa solidariedade está com as famílias”, acrescentou o órgão estatal.

Leia também: Após acidente, ANTT entra na mira da polícia por postos no ES

Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, também comentou o acidente em sua conta do Twitter. "Lamentamos incidente em mina de Cucunubá-C/marca. @ANMColombia e @UNGRD coordenam resgate de retidos. Nossa solidariedade com as vítimas", publicou o mandatário colombiano.




Leia também: Sarney Filho nega ter havido retaliação por parte do governo da Noruega

"Para operação de resgate em mina de Cucunubá levaremos socorristas experientes. A força pública também apoiará", concluiu.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.