Tamanho do texto

De dentro do próprio partido, a primeira-ministra recebeu pressões para considerar a saída do cargo; eleições gerais aconteceram nesta quinta-feira

Em discurso após a confirmação de sua manutenção no cargo, Theresa May deu a entender que não renunciaria
Reprodução/The Independent
Em discurso após a confirmação de sua manutenção no cargo, Theresa May deu a entender que não renunciaria

Após um encontro com a rainha Elizabeth II, na manhã desta sexta-feira (9), a primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que vai formar um novo governo, apesar do resultado negativo para o seu partido nas eleições gerais, ocorridas nesta quinta-feira (8), no Reino Unido .

Leia também: Após atentados terroristas, Reino Unido vai às urnas pelas eleições gerais

Nesta quinta-feira, Theresa May perdeu a maioria absoluta que mantinha na Câmara dos Comuns. Apesar disso, a conservadora afirmou categoricamente que não pretende renunciar ao cargo, mesmo que tenha dificuldades para governar o país.

Nas eleições gerais, até agora, o Partido Conservador conseguiu 318 deputados, longe dos 326 necessários para ter maioria parlamentar. Os resultados finais ainda não foram divulgados. 

Analistas políticos avaliam que o atentado ocorrido na Inglaterra no último sábado influenciou o cenário político às vésperas da eleição.  O grupo terrorista Estado Eslâmico reivindicou a autoria dos ataques.

Pressão pela renúncia

May recebeu pressões para considerar sua renúncia, dentro do próprio partido, e o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, também pediu que ela deixe o governo.

No dia 18 de abril, a primeira-ministra convocou eleições antecipadas, quando as pesquisas previam fácil vitória dos conservadores . Durante a campanha eleitoral, no entanto, eles perderam parte dessa vantagem.

Em discurso após a confirmação da renovação de sua cadeira pela circunscrição de Maidenhead, no Sul da Inglaterra, May já sugeria a possibilidade de governar, apesar de não contar com maioria absoluta.

"Este país necessita de um período de estabilidade. Se o Partido Conservador conquistou a maior quantidade de cadeiras e votos, terá que assegurar essa estabilidade", afirmou.

A deputada conservadora Anna Soubry pediu que May considerasse a possibilidade de deixar o governo. "É uma questão para ela. É ruim. Eu acredito que ela está em uma posição muito difícil e necessita considerar sua posição. Esta é uma noite terrível", disse a deputada, que foi secretária de Pequenas Empresas e Indústria no governo de David Cameron, antecessor de Theresa May.

Leia também: Pesquisa boca de urna indica vitória do Partido Conservador no Reino Unido

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.