Tamanho do texto

Primeira-ministra defendeu punição mais dura para coibir 'lobos solitários' e conter escalada de ataques; campanha eleitoral foi suspensa no Reino Unido

Fotógrafo Gabriele Sciotto publicou foto que seria de um dos suspeitos baleados pela polícia britânica após ataque
Gabriele Sciotto (Reprodução/Instagram - @fried_chicken)
Fotógrafo Gabriele Sciotto publicou foto que seria de um dos suspeitos baleados pela polícia britânica após ataque

A primeira-ministra do Reino Unido, Thereza May, fez um duro discurso contra o terrorismo na manhã deste domingo (4), horas após dois ataques terroristas deixarem 7 mortos e 48 feridos em Londres , na noite de ontem.

A premiê britânica alertou que "há muita tolerância com o terrorismo " no Reino Unido e prometeu que se empenhará na luta contra a ameaça de radicais islâmicos. "Enough is enough", disse May, declaração que significa algo como "Chegou a hora de dar um basta" em português.

O discurso da premiê se deu momentos após reunião do Conselho de Emergência do Governo na capital britânica. May lembrou que esse já é o terceiro ataque ocorrido no país somente nos últimos três meses (os outros se deram também em Londres, na ponte de Westminster, em março; e em Manchester, durante show da cantora Ariana Grande, há duas semanas). Além dos atentados que se concretizaram, May disse que o serviço de inteligência da polícia conseguiu frustrar outros cinco planos terroristas desde março.

A premiê afirmou que as ocorrências não estão conectadas "em termos de planejamento e execução", mas que se encontram em "ideologias radicais islâmicas que espalham o ódio". "Acreditamos que temos vivenciado uma nova tendência do terror ao ver o terrorismo alimentando o terrorismo. Os responsáveis por esses atos têm se inspirado e copiado outros ataques em vez de planejar e treinar ações junto a facções terroristas", disse.

May defendeu tornar mais duras as punições àqueles que se envolverem com qualquer tipo de ameaça terrorista, mesmo que em fatos de menor gravidade. A ideia é reprimir eventuais 'lobos solitários', que são indivíduos convertidos ao Islã que não possuem vínculo com células terroristas, tal como o Estado Islâmico, mas que atuam sozinhos.

Por conta dos ataques deste sábado, foi suspensa no Reino Unido a campanha para as eleições gerais que vão ocorrer já na quinta-feira (8). Os compromissos acerca do pleito devem ser retomados somente nesta segunda-feira (5).

Leia também: Festival de rock na Alemanha é evacuado após ameaça terrorista

Os ataques

Uma van branca avançou em alta velocidade contra pedestres que estavam cruzando a London Bridge na noite de sábado, por volta de 22h no horário local. Alguns quarteirões à frente, três homens desembarcaram do veículo armados com facas e atacaram pessoas que estavam no mercado de Borough.

Os responsáveis pelo ataque no mercado vestiam coletes que aparentavam carregar explosivos, mas posteriormente foi constatado que se tratava de dispositivos falsos com o único intuito de provocar ainda mais pânico nas vítimas.

Houve troca de tiros entre a polícia e os suspeitos. Três envolvidos nos ataques foram baleados e morreram. O fotógrafo Gabriele Sciotto publicou em sua conta no Instagram foto que, segundo ele, mostra um dos suspeitos caído no chão, momentos após ser baleado pelos policiais.

Na manhã deste domingo, ao menos 12 pessoas foram presas em uma casa na região de Barking, no leste de Londres. O imóvel, segundo reportagem da rede BBC , pertencia a um dos três suspeitos mortos na troca de tiros de ontem.

Leia também: Ativista 'seduz' no Tinder para impedir vitória conservadora no Reino Unido

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.