Tamanho do texto

Elizabeth Wettlaufer trabalhava em lares para a terceira idade no Canadá; ela aplicava insulina nas vítimas e se sentia "aliviada" com a morte delas

Enfermeira também se declarou culpada por quatro acusações de tentativa de assassinato e duas acusações de agressão
Reprodução/ CBC News
Enfermeira também se declarou culpada por quatro acusações de tentativa de assassinato e duas acusações de agressão

Uma ex-enfermeira se declarou culpada nesta quinta-feira (1º) pelo assassinato de oito moradores de lares de idosos, no Canadá. De acordo com o jornal “The Guardian”, este é um dos piores casos de assassinatos em série na história do país.

Leia também: Idosa de 78 anos 'sobrevoa' rio todos os dias para conseguir ir às compras

Elizabeth Wettlaufer, de 49 anos, também se declarou culpada por quatro acusações de tentativa de assassinato e duas acusações de agressão.

A ex-enfermeira, que compareceu ao tribunal de Woodstock, na província de Ontário, admitiu ter matado oito idosos e tentar matar outros seis, pois “se sentia infeliz com a carreira e com as responsabilidades de sua vida”. Elizabeth reconheceu, sob questionamento do juiz, que ela injetou insulina em 14 vítimas sem nenhum motivo médico.

Todos os casos ocorreram entre 2007 e 2014 em três lares para idosos, em Ontario, onde Elizabeth trabalhou como enfermeira particular registrada.

Segundo a promotoria do caso, Elizabeth explicou à polícia que ela sabia que "se o açúcar no sangue for suficientemente baixo, você pode morrer". Ela também disse às autoridades que ela se absteve de registrar seu uso de insulina para evitar a detecção do crime.

A enfermeira também disse aos investigadores que, depois de constatar a morte das vítimas, sentia-se "como se uma pressão tivesse sido aliviada de mim, como se a pressão tivesse sido aliviada de minhas emoções".

Leia também: Jovem é condenado a menos de um ano de prisão após estuprar irmã de 16 anos

Registros do College of Nurses of Ontario mostram que Elizabeth se registrou pela primeira vez como enfermeira em agosto de 1995, mas demitiu-se em 30 de setembro de 2016 e já não era uma enfermeira registrada.

Vítimas e parentes

Amigos e parentes dos idosos que morreram disseram na quinta-feira que foram avisados ​​que a audiência revelaria informações que poderiam ser difíceis de tratar. Alguns, no entanto, expressaram alívio de que o caso chegaria a uma rápida conclusão.

As oito vítimas assassinadas foram James Silcox, de 84 anos; Maurice Granat, de 84 anos; Gladys Millard, de 87 anos; Helen Matheson, de 95 anos; Mary Zurawinski, de 96 anos; Helen Young, de 90 anos; Maureen Pickering, de 79 anos e Arpad Horvath, de 75 anos.

Leia também: 'Anjo da guarda' é fotografado por garoto de sete anos nos Estados Unidos

As vítimas de tentativa de assassinato foram identificadas como Wayne Hedges, 57, Michael Priddle, 63, Sandra Towler, 77 e Beverly Bertram, 68. Os documentos do tribunal dizem que Elizabeth injetou insulina nas seis supostas vítimas. A enfermeira também foi acusada de agressão grave contra Clotilde Adriano, de 87 anos, e Albina Demedeiros, de 90 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.