Tamanho do texto

Segundo o líder russo, as instituições públicas do país "não sofreram danos importantes", porém, a situação segue sendo, segundo Putin, "preocupante"

Putin assegurou nesta segunda-feira que a Rússia não tem nada a ver com o ciberataque global
The Presidential Press and Information Office
Putin assegurou nesta segunda-feira que a Rússia não tem nada a ver com o ciberataque global

Nesta segunda-feira (15), o presidente russo, Vladimir Putin , assegurou que a Rússia não tem absolutamente nada a ver com o ciberataque global que afetou mais de 200 mil computadores em pelo menos 150 países desde a última sexta-feira (12) .

Além disso, Putin aproveitou o seu pronunciamento público para acusar o serviço secreto dos Estados Unidos (CIA) de ser a "fonte primária do vírus" que causou o ciberataque .

"Acredito que a direção da Microsoft já indicou a CIA como a fonte primária do vírus. A Rússia não tem nada a ver com isso", disse Putin, em entrevista coletiva em Pequim, onde participou do Fórum da Nova Rota da Seda.

Segundo ele, as instituições públicas russas "não sofreram danos importantes, nem os bancos, nem o sistema de saúde, nem outros, mas, em geral, não há nada de bom nisto e é preocupante".

WikiLeaks vazou

Neste domingo (14), o presidente da Microsoft, Brad Smith, advertiu que a compilação de vulnerabilidades cibernéticas por parte dos governos se converteu em um padrão emergente que causa danos generalizados quando estas informações são vazadas.

Leia também: Europol pede esforço internacional para investigar ciberataque "sem precedentes"

“Vimos aparecer no WikiLeaks vulnerabilidades armazenadas pela CIA , e agora estas vulnerabilidades roubadas da NSA (Agência Nacional de Segurança dos EUA) afetaram clientes em todo o mundo", criticou Smith, ao se pronunciar sobre a origem do erro no sistema operacional Windows que possibilitou a ação do ataque com o software maligno WannaCry.

O 'ransomware' (tipo de ciberataque que infecta os computadores e depois cobra um resgate) WannaCry, que exigiu um pagamento na moeda digital 'bitcoin' para que o acesso aos computadores fosse recuperado, infectou sistemas de informática em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Segundo nota da Kaspersky os hackers exigem como recompensa US$ 600 em bitcoins.

O governo espanhol divulgou um comunicado em que aponta o ataque em várias companhias do país, entre elas a empresa de telecomunicações Telefónica. O ministério da Energia confirmou que "o ataque afetou pontualmente equipamentos de informática de trabalhadores de várias empresas".

De acordo com a Sputnik News , o Serviço Nacional de Saúde da Grã-Bretanha também afirmou que foi alvo do ataque com ransomware. Ainda segundo as autoridades britânicas, 16 unidades de saúde pública foram atingidas. Alguns pacientes de emergência tiveram que ser transferidos e consultas foram canceladas.

Leia também: Vírus ransomware também pode atingir usuários comuns: saiba como se proteger

Pelo Twitter, o correspondente de tecnologia a BBC Rory Cellan-Jones divulgou imagem de uma máquina infectada pelo vírus utilizado no ciberataque.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.