Sumit Kumar e seu cúmplice, Vikas, foram presos pelo estupro no sábado (13); Kumar confessou o crime à polícia
Reprodução/Daily Mail
Sumit Kumar e seu cúmplice, Vikas, foram presos pelo estupro no sábado (13); Kumar confessou o crime à polícia

Uma mulher foi vítima de estupro coletivo, tortura e mutilação na Índia. Ela foi estuprada pelo ex-namorado e por outros seis homens, que em seguida passaram com um carro por cima de sua cabeça em uma tentativa de dificultar a identificação do corpo.

Leia também: Padrasto estupra menina de 12 anos para que fosse "barriga de aluguel" da mãe

 O cadáver da moça de 23 anos foi encontrado sendo destroçado por cachorros depois do estupro . Ela foi sequestrada em Sonipat e levada à cidade de Rohtak, a aproximadamente 45 quilômetros de distância.

Além de ser sexualmente violentada, a jovem foi torturada com objetos afiados e teve o crânio esmagado com um tijolo quando ameaçou contar à policia sobre o ataque. Em seguida, a esmagaram com um carro para esconder sua identidade.

Sumit Kumar, o ex-namorado da vítima, e outros seis homens são suspeitos de terem cometido o ataque. Kumar e um cúmplice identificado apenas como Vikas foram detidos pela polícia nesse último sábado (13).

Familiares da moça identificaram o corpo e contaram, em depoimento, que Kumar e outros seis ou sete homens invadiram a casa da família e ameaçaram a jovem depois que ela se recusou a casar com o então namorado.

Leia também: Inglesa é condenada a sete anos de prisão por fazer sexo grupal com menores

Você viu?

“A vítima estava morando com sua mãe. Ela havia saído para trabalhar perto das sete da manhã do dia 9 de maio quando o acusado, Sumit, e seu cúmplice, Vikas, a sequestraram com um carro”, afirmou o chefe de polícia Ajay Kumar ao “Daily Mail”.

“A autópsia revelou que a vítima foi drogada com sedativos misturados em refrigerante. Acredita-se que ela foi estuprada e morta enquanto estava inconsciente”, afirmou o especialista em medicina forense, doutor SK Dhatarwal.

Segundo a família da jovem, Sumit estava pressionando a moça a se casar, mas ela o rejeitou ano passado porque ele estava desempregado. Ele então passou a perseguir a ex-namorada. Antes do ataque, ele supostamente repetiu o pedido de casamento e foi recusado novamente, assassinando a mulher.

“Eu a amava e ela também me amava. Houve um desentendimento entre nós e eu a matei com um tijolo”, disse Sumit à câmera, confessando o crime. A mãe da vítima pede que os envolvidos sejam enforcados.

Leia também: "Você me deve um favor": médico estupra mãe de paciente logo após cirurgia

Estupro coletivo

Dias antes do ataque brutal, foi aplicada sentença de morte a quatro homens culpados por um caso semelhante que aconteceu em Déli. A agressão gerou revolta em todo o país e levou a reformas na legislação.

De acordo com estatísticas do governo indiano, a grande maioria – quase 90% – dos estupros que acontecem no país são cometidos por pessoas conhecidas pela vítima. No Brasil, um estupro é notificado a cada 11 minutos. Além disso, 32,2% dos agressores são amigos ou conhecidos das vítimas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários