Tamanho do texto

Pedido "extenso de investigação" foi feito pelo vice-presidente equatoriano, Jorge Glas; esquema corrupção na empresa brasileira ultrapassou fronteiras

Acordo da Odebrecht e Braskem com autoridades do Brasil, dos EUA e da Suíça é considerado o mais caro da história
Divulgação/Odebrecht
Acordo da Odebrecht e Braskem com autoridades do Brasil, dos EUA e da Suíça é considerado o mais caro da história

Nesta quinta-feira (4), o vice-presidente do Equador, Jorge Glas, apresentou à Procuradoria do país um "pedido extenso de investigação" dos funcionários públicos relacionados aos projetos com a empresa Odebrecht. 

Leia também: Cabral, Kassab e Pezão lideram ranking de caixa 2 entregue por Odebrecht

"Este é um pedido extenso de investigação a todos os funcionários que tiveram projetos com esta empresa [ Odebrecht ] que sabemos que tem práticas corruptas", afirmou Glas em entrevista transmitida por meios locais.

O vice-presidente, reeleito em 2 de abril, solicitou que seja fixada "a data e a hora" para que "ministros e ex-ministros", junto com "gerentes e ex-gerentes", sejam chamados "a dar versões" dos negócios executados com a construtora brasileira. 

No entanto, Glas esclareceu que este pedido "não significa que exista suspeita de nenhuma natureza" sobre os funcionários.

Leia também: Lula: "Duvido que tenha um empresário que possa dizer que pedi cinco centavos"

O procurador-geral do Equador, Galo Chiriboga, que acompanhou Glas em seu comparecimento, sustentou que desde seu escritório o pedido é visto "desde a perspectiva de que é possível cooperar com a descoberta dos fatos".

Justiça americana 

O Equador abriu uma investigação após a revelação da Justiça americana, em dezembro, de que a construtora brasileira pagou entre 2007 e 2016 US$ 33,5 milhões (R$ 106 milhões) a funcionários do país andino.

O caso de corrupção é investigado também na Argentina, Chile, Colômbia, México, Portugal, Peru, República Dominicana, Venezuela e Brasil. No Brasil, a apuração do caso ficou na alçada da Operação Lava Jato, que investiga um amplo esquema de corrupção na Petrobras e em empreiteiras parceiras da estatal. 

No final de 2016, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou que a construtora multinacional admitiu ter pago US$ 788 milhões (o equivalente a R$ 2,5 bilhões) em subornos em 12 países da América Latina e da África.

Leia também: Defesa de Dilma cobra provas a delatores da Odebrecht sobre pagamento de propina

A Odebrecht, que é uma multinacional brasileira, alcançou acordos judiciais com os governos dos Estados Unidos, Brasil e Suíça, e pagará multas que somam pelo menos US$ 2 bilhões (o equivalente a R$ 6,3 bilhões).

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.