undefined
Reprodução/Wikipedia
Eric Trump disse que tem plena certeza de que sua irmã teve influência na decisão de atacar Síria

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou, na última semana, que sua decisão de lançar mísseis contra uma base aérea na Síria aconteceu depois de ver imagens horríveis do ataque químico realizado pelo governo de Bashar al-Assad contra civis. Mas, de acordo com o filho do mandatário, Eric Trump, houve outra influência importante para a deliberação da empreitada militar – que não foi citada pelo pai.

Leia também: Após críticas sobre Síria, EUA enviam porta-aviões para península norte-coreana

Em entrevista ao “The Daily Telegraph”, Eric Trump disse que tem plena certeza de que sua irmã, Ivanka, novo nome apontado como conselheira do governo, tenha encorajado o pai a permitir o ataque de mísseis contra o presidente da Síria. Os Estados Unidos lançaram ao menos 59 Tomahawk em uma base aérea síria.

“Ivanka é mãe de três crianças e tem influência. Estou certo de que ela disse: ‘escute, isso é algo horrível [em relação ao ataque químico na província de Idlib]”, afirmou Eric.

Eric é um dos quatro filhos do presidente norte-americano. Ele não está envolvido com a administração do governo republicano, diferentemente de sua irmã. No momento, ele e o irmão mais velho, Donald Trump Jr., são responsáveis por gerenciar as organizações Trump durante a ausência da figura paterna.

Leia também: Rússia diz que Trump atacou Síria para mostrar força aos oponentes

“Fiquei longe da política e da administração, mas você pode ter certeza de que ele foi profundamente afetado pelas imagens das crianças [no ataque químico]”, acrescentou.

A rede de TV americana “CNN” tentou entrar em contato com a Casa Branca para confirmar os comentários feitos por Eric, mas não obteve resposta.

Ivanka e o governo

undefined
Reprodução/Wikipedia
Ivanka Trump escreveu algumas mensagens em sua conta do Twitter sobre o ataque químico no país sírio

No dia anterior ao ataque à base militar na Síria, Ivanka Trump escreveu algumas mensagens em sua conta do Twitter sobre o ataque químico no país sírio. “Meu coração está quebrado com as imagens que estão surgindo da Síria depois do ataque atroz realizado ontem”, escreveu em um tuíte.

Já no dia seguinte à ação (polêmica) do pai, ela escreveu que estava orgulhosa da decisão de atacar o governo de Assad. “Nos tempos em que vivemos são necessárias decisões difíceis – orgulhosa de meu pai por ter recusado a aceitar estes crimes horrendos contra a humanidade”.

Ivanka é casada com Jared Kushner, outro conselheiro sênior de Trump, e assumiu um cargo oficial na administração de seu pai no início do mês. Ela e o marido foram apontados como tendo influências “moderadas” do presidente.

Apesar de se concentrar em questões como a saúde das mulheres, a igualdade de remuneração entre gêneros e cuidados infantis a preços acessíveis, a influência de Ivanka Trump já pode ser sentida fora destes domínios também. Uma de suas principais aliadas, Dina Powell, agora é deputada no Conselho de Segurança Nacional.

Leia também: Estados Unidos ameaçam novos ataques à Síria, caso "seja necessário"

No dia 5 de abril, a filha do mandatário norte-americano deu uma entrevista à rede “CBS”, em que afirmou que seu esforço seria todo colocado no empoderamento econômico da mulher e na educação, mas que deixaria a porta aberta para dar conselhos em outras questões. “Vou pesar com meu pai sobre os temas em que me sinto forte”, acrescentou.

De acordo com Eric Trump, ela exerceu este tipo de influência nos acontecimentos da semana passada. “Meu pai irá atuar em casos como este. E, falando nisso, ele era contra fazer alguma coisa na Síria até dois anos atrás. Então, um líder atira gases químicos contra seu próprio povo, mulheres e crianças. De certo modo, a América é líder mundial e um dos superpoderes mundiais, e tem que agir”, finalizou.

    Leia tudo sobre: Donald Trump

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários